Cristiano. Cristiano Ronaldo...

Eu, se fosse o Cristiano Ronaldo, que não sou, às vezes confundem-me quando me vêem a jogar à bola, ao longe a minha técnica parece igualzinha à do Cristiano Ronaldo, a capacidade de drible, o jogo de cintura, parece que é mesmo o Cristiano Ronaldo, mas dizia eu que, se eu fosse o Cristiano Ronaldo, em vez de investir o meu dinheirinho em brincos de gosto duvidoso, a primeira coisa em que eu havia de gastar muito dinheiro era no restyling da Dona Dolores, que é aquela senhora que aparece sempre nas revistas a dar opinião sobre o último engate do Cristiano Ronaldo.

No dia em que milhões de espectadores seguiam em directo a nomeação do melhor jogador do mundo em 2008, na meia dúzia de segundos em que dizer a coisa certa podia valer milhões de euros em contratos, a imagem que me ficou foi a da Dona Dolores vestida com um fato de treino cor de rosa e um chapéu na cabeça (mas só eu é que vejo isto?...) e o Cristiano Ronaldo a mandar dizer à família que “podiam deitar os fogos” e que gostava muito “daquela coisinha” (e a coisinha era a bola de ouro, ou lá o que era que ele ganhou desta vez).

Aqueles trinta segundos podiam ser usados para pedir a paz no mundo, amor para as crianças do mundo, agradecer aos patrocinadores, mostrar o relógio a fazer de conta que via as horas. Podiam ser usados para tudo. Menos para pedir à Dona Dolores, a do fato de treino cor de rosa, que deitasse os fogos.

É que, parecendo que não, também é disto que se faz a imagem de um povo.

10 comentários:

shark disse...

Permita-me discordar consigo, o que até acontece com uma frequência piquena.
Mas povo, o nosso, é aquilo mesmo.
A imagem, nesse contexto, é sincera.
E eu prefiro-a assim, espontânea, pimba, do que mais consentânea com a ambição padronizada que a Europa (quase) nos impingiu.
Mas claro, eu sou um plebeu e tenho que pugnar por uma imagem do povo na qual não deslustre...
:)

Gabs disse...

Por acaso acho que uma das qualidades do Ronaldo e família é continuarem a ser tão , como são...
É evidente que gasta o dinheiro em brincos e carros, e manda a mão "deitar os fogos", os foguetes.

Visconde de Vila do Conde disse...

Shark, meu caro, você é um príncipe, qual plebeu, qual quê...

(sim, tem o seu quê de kitsch e de genuíno. mas, caramba, aquele fato de treino cor de rosa mais o chapéu de baseball vai ficar-me ne retina por muitas semanas...)

Visconde de Vila do Conde disse...

Gabs, aqueles trinta segundos valiam ouro, eram uma oportunidade de deixar uma imagem. Podia agradecer ao treinador que o lançou (e continuava humilde), podia dar uma palavra aos jogadores que não se chegaram a levantar (e continuava humilde). Mandou a Dona Dolores lançar os fogos (não foi humilde, os fogos já estavam preparados, só à espera da confirmação oficial...)

Gabs disse...

Ah, isso era se fôsse o Visconde.
Eu era capaz de agradecer ao meu treinador e amigos como ele. E dizer que estava muito contente. Mas a minha mãe e irmã não apareciam de certeza de boné cor de rosa...

Anônimo disse...

Foi triste.. mas mostrou o Portugal real, lá isso mostrou porque o resto é folclore como agora se está ver...

eustáquio batráquio disse...

(Não me desvende esse segredo tão bem guardado, Visconde! Eu ando disfarçado de sapo...)

Anônimo disse...

a mim já me voltou o visa gold e vou comemorar a comprar um book de Topologia, até já estou de orelhas espetadas

teresa disse...

Visconde, uma só pequena nota de agradecimento.
Ontem, pelas 10.18, directamente de Souto da Carvalhosa, alguém veio parar ao Cabra assim:
Referring URL http://www.google.co...d=ie7&rlz=1I7SUNA_en
Search Engine google.com
Search Words fotos fato cor de rosa dolores

O Santo disse...

sou defesa... de preferencia central, inconfundivel com o Ronaldo mm que me vissem ao longe e as escuras. Mas duvido mto que o chapeu fosse de baseball...