na praia

Ao longe apenas se vislumbrava a névoa provocada pela libertação de calor pela areia.
O seu corpo molhado repousava agora na toalha perfeitamente esticada sobre a areia seca e fofa. Aproximou-se o suficiente dela para que o cheiro a canela do protector suavizado pela água lhe irrompesse pelas narinas. Olhou para ela que se mantinha imóvel e desejou-a.
Pequenos fios de água iam escorrendo pela pele brilhante e dourada, primeiro lentamente, depois um pouco mais depressa, quando a curvatura do corpo assim o permitia. Inclinou-se um pouco mais e pousou delicadamente os seus lábios nos dela humedecendo-os ligeiramente com a ponta da língua. Ela deteve a respiração, derretida com tanta delicadeza. Abriu um olho tentando defender-se dos raios que incidiam directamente na sua face e sorriu-lhe quando o seu olhar se deparou com o sorriso dele, onde transparecia todo o seu desejo. Voltou a fechar os olhos e recostou-se na toalha. Longe de dar por satisfeito, aproximou-se um pouco mais dela e voltou a beijá-la, a polpa carnuda dos lábios de ambos fundiu-se numa só e fez a sua língua entrar dentro da boca dela, onde bailou durante alguns momentos acompanhada. Tinha a face em fogo, o sangue corria-lhe nas veias com uma pressa desmesurada, sentiu-se humedecer por dentro.
O desejo sentido por ambos aumentava a cada instante, a cada toque. A mão dela procurou a nuca dele e os seus dedos entrelaçam-se nos seus cabelos com força, enquanto as mãos dele lhe seguravam a cara entre os maxilares e o pescoço, tocando ao de leve com a ponta dos dedos na orelha. O ritmo respiratório aumentava, a pele dela estava arrepiada de desejo por aquele corpo que pendia cada vez mais sobre ela. Quando uma das pernas dela ficou entre as pernas dele, foi notório o desejo sentido por ele. A boca dele deixou a boca dela e passou para o pescoço. A mão já não segurava a cara dela e descia agora pousando suavemente como uma borboleta no seio despido e ainda salpicado pela água do mar. Apalpou-o levemente e depois com um pouco mais de pressão e entusiasmo. Fez a sua boca descer até ao mamilo descoberto e sentiu-o rígido e salgado. Ela gemia por dentro e contorceu-se um pouco mais.
Seria preciso um pouco mais do que um banho de mar para a apagar aquela chama que a incendiava por dentro.
Ela continuava de olhos fechados com receio que se os abrisse todas aquelas sensações desaparecessem e o fogo de artifício que via na sua mente não passasse de pura imaginação e desaparecesse por entre as ondas do mar e os grãos de areia.

15 comentários:

@na disse...

vou fazer de santo: e o post? ninguém comenta o post??

teresa disse...

pazinha estou a ver os resumos da natação olimpica... é que os gajos apresentam-se todos muito bem...

@na disse...

não há direito... deixas-me aqui sozinha para veres gajos de touca na cabeça??? vou fazer greve, não há mais postas!

teresa disse...

espera lá, há uns que nadam sem touca... e tirando a miseria de não terem nem um pelinho, digamos que são muito bem constituidos e têm um golpe de rins cheio de promessas, que as imagens para além da água que mostram também nos a deixam na boca...

@na disse...

amiga... estão demasiado longe, ok?

teresa disse...

mas olha lá, só o shark pode preencher as tais 24 horas com imagens? é que há mais quem esteja longe e não é por isso que deixo de salivar qual cão de pavlov...

teresa disse...

e reparei agora melhor - tu a fazeres de santo??? Credo!...

shark disse...

Bom, isto já é uma massagem com guarnição...

@na disse...

então shark, ontem foste nadar para outra freguesia?

shark disse...

Nada disso, mas tenho de dormir um nadinha de vez em quando...

@na disse...

tss...tsss

teresa disse...

E mesmo assim deve dormir com um olho aberto outro fechado..

gaija do norte disse...

gaijas!!! olhos fechados na areia? nadadores olimpicos? o que se passa gaijas??? onde foi que me perdi no meio deste blog???

@na disse...

é melhor comprares um gps que isto para variar é o granel

gaija do norte disse...

e como eu gosto deste granel, que a vidinha fora daqui é boa, muito boa, mas fico sempre com a pulguita por não andar cá no meio... pelo que me pude inteirar até ao momento, tudo se está a compor, e o verão, bem esse é como o chico da outra e o rio de janeiro...