Toma lá que ninguém te manda mexer no que não é teu

"Condenado a dois anos de prisão por ver e-mail de colega de trabalho

(...)o juiz considera que o arguido cometeu um delito de «revelação de segredos relativos à vida íntima», embora não considere provado que tenha sido o arguido a extrair informação da caixa de correio electrónico. (...)

A mulher garantiu que o arguido, depois de lhe entregar os documentos, lhe disse que, desta forma, «veria o que o cunhado faz durante as horas de trabalho». (...)

O juiz deu pouca importância ao tipo de informação revelada pelos e-mails porque, defende, a intimidade ficou vulnerável «no momento em que houve acesso ao correio electrónico do queixoso», independentemente do conteúdo dos mesmos."

12 comentários:

teresa disse...

e depois são as gaijas que passam por metediças e cuscas...

@na disse...

nós temos a fama... eles o proveito.

gaija do norte disse...

eu nunca conheci gaijas tão cuscas como alguns gaijos que conheço! é que cuscam mesmo!

teresa disse...

mas sempre com aquele ar de que é em benefício da ciência e da humanidade e nem querem saber...

e proveito coisa nenhuma Ana, aquilo são é vidas pequeninas...

gaija do norte disse...

nem todos. alguns admitem que gostam mesmo de cuscar, mas esses são os divertidos

teresa disse...

esses são quase gaijas...

durante anos contava-se uma história lá por casa. O meu avô costumava ir para o clube (ainda um dia faço um post sobre o clube) jogar cartas com os amigos. Quando acabava o jogo era sempre o mesmo. Um perguntava - e agora, fazemos o quê? E logo outro respondia - vamos dizer mal de alguém....

gaija do norte disse...

isso é uma delícia! é sempre bom ter alguém de quem dizer mal. é tema de conversa para muito mais tempo do que se fosse para dizer bem!

teresa disse...

e tem muito mais graça...

gaija do norte disse...

então, de quem vamos dizer mal hoje?

@na disse...

do santo que não está cá?

@na disse...

11

gaija do norte disse...

já dissemos que não é milagreiro, que não cura com as mãos e que, por isso, é um desconsolo... podemos continuar