Beco dos esquecidos

Espalhado pelo chão, coberto por cartão. Vadio, vagabundo, na ideia negligente dos que te vêem como um objecto representativo do fracasso, da perdição. Sem abrigo, para os poucos que interpretam essa mancha multicolor de andrajos de que se faz a tua presença como uma pessoa e não o que dela resta e a ninguém servirá seja para o que for.
Desististe do amor no meio de todas as coisas que já não tens nem reclamas, mesmo nos impropérios que exclamas encharcado numa zurrapa que te enlouquece apenas um pouco mais.

Espalhas-te pelo chão e cobres de cartão o frio, desaparecidas as vergonhas ou qualquer outro vestígio do orgulho de que entendeste abdicar perante ti próprio e aos outros nem ocorre poderes ambicionar.

Espalhado no alcatrão, abandonado como um cão no teu interior. A sós com a memória que te agride, entretido pela sobrevivência nos intervalos do tempo que dedicas à respectiva obliteração.

19 comentários:

gaija do norte disse...

(este foi para nós percebermos que essa cabeça não é só sexo e que depois de três seguidas ainda consegues pensar noutros assuntos?)

shark disse...

(foi mais porque ninguém se chegou à frente com um postezito para parar com esta pouca vergonha de sexo por todo o lado neste blogue. uma espécie de anti-clímax...)
:)

gaija do norte disse...

(foi uma maldade, queres tu dizer)

calamity jane disse...

(hum... e o que é suposto dizer-se depois disto?..)

shark disse...

(maldade, Gaija? Tá assim tão feio?)

shark disse...

(diz-se que o tubarão é um mau porque dá 3 seguidas e depois arrefinfa com um urbano-depressivo prá malta não conseguir ir à quarta...)

gaija do norte disse...

(não, está bonito! mas, gaijo lindo, não podias ter escrito sobre abelhas ou assim?...)

shark disse...

(tá bem, abelha?)
:)

Estás a fazer-me sentir desconfortável com este post, Gaija. Mas tu já sabes que eu de vez em quando vareio e assim...

shark disse...

(Mas pronto, se tem que ser sobre abelhas vou ver o que consigo arranjar... Por ti só não faço o impossível. E é porque ainda não tentei.)

gaija do norte disse...

ohhh tubarão, não queria...
o teu post é só mais um daqueles que me deixa muda (e tu sabes como é difícil), mas é bonito, está bem escrito e lembra-me que existe um mundo não "vivo" como devia.

shark disse...

Eu sei, beleza nortenha. Mas mesmo assim, e como esfregaste bem a lâmpada, cumpri mais um dos teus desejos...
:)

Mente Quase Perigosa disse...

Vocês dois, às vezes, deixam-me muda. Não sei se é mais bonito o post ou o diálogo na caixa de comentários...

shark disse...

Olha que coisa bonita que disseste, Peixona!
:)
Mereces uma beijoca virtual daquelas bem repenicadas.

gaija do norte disse...

merece duas, peixão!
a outra é minha :)

calamity jane disse...

Tá a escorrer mel da posta de cima :-))

Mente Quase Perigosa disse...

Considerem-se beijados de volta. Merecem depois do momento de ternura que inspiraram.

Daqueles momentos em que as palavras são desnecessárias e o silêncio não é desconfortável. É, pelo contrário, a mais profunda demonstração de harmonia.

tereza disse...

(Agora que se calaram já posso dizer que gostei muito do que escreveste, Tubarão?)

shark disse...

(Diz, Chefa! Make my day...)

tereza disse...

Gosto muito do que escreves.
E gostei muito deste post!