É limpinho. Vou votar Sócrates!

A primeira vez que me aconteceu foi na piscina do Grande Hotel da Figueira, a piscina lá de casa, como diziamos quando eramos miúdos, dada a proximidade e a quantidade de tempo que lá passávamos.

Cheguei com elas duas, eu de Expresso na mão, direita à esplanada, e elas para a água mesmo.
Pedi dois bilhetes de criança e a rapariguinha da caixa olhou para a Clara e atirou um seco "essa menina não".
Pronto! Ia haver festival, de certeza, mas eu tinha de tentar outra vez antes de abrir as hostilidades. 
- Dois bilhetes de criança, faz favor.
O mesmo olhar, a mesma resposta. Ainda na fase civilizada, mas pronta a lançar os misseis, explico que a menina, a Clara, sabe nadar muito bem, que está habituadíssima a piscinas e que eu vou ficar na esplanada.
Acho que a rapariguinha da caixa percebeu que havia qualquer coisa errada no meu tom de voz, dada a rapidez com que explicou que o não era um não de não é preciso bilhete. A menina não paga!
Boa. Uma borla. A primeira borla da vida da Clara. A primeira vez que os olhos à chinesa lhe tinham dado uma vantagem que fosse.

Voltámos a ter outras. No Oceanário, no Zoo, no Pavilhão do Conhecimento, no Zoomarino.
Agora já sei que não paga, mas mesmo assim fico sempre à rasca. Nunca, por nunca, tive coragem de chegar a uma bilheteira e dizer A minha filha é deficiente, não paga, pois não? 

Caraças, pode ser imbecilidade minha, mas tenho a sensação que a estou a usar, a usar um azar para poupar uns trocos, que só me falta pôr-lhe um letreiro e sentá-la num passeio com um acordeão (e daí, bem pensado, talvez esta fosse uma boa ideia, que a crise é lixada...).
Ora, resumindo. Temos andado a ter umas borlas nas bilheteiras dos privados mas do Estado, do pai, da mama principal, nem um chavo em 14 anos. Sim, nunca pedinchei, mas também nunca tive. Era isto, e mais aquilo, e aqueloutro, e és uma burra, e o dinheiro que podias ter recebido, e isso tudo e mais alguma coisa a juntar à minha enorme dificuldade em pedir o que quer que seja, e lá se vão 14 anos de subsídios nunca pedidos e menos ainda recebidos.
Até que chegou o Sr. António. E o Sr. António hoje lembrou-se de telefonar. Parece que trabalha na secretaria lá da escola e apeteceu-lhe, hoje, sete anos depois da Clara ter começado a frequentar o ensino público, ligar-me para me informar que ela  não tem de pagar as senhas da cantina.
- Ai não??!!....
- Não. A Clara tem direito ao escalão.

Escalão! Palavra mágica.
E enquanto o Sr. António continuava a falar de senhas de cantina a minha cabeça já bitava.
Ora muito bem... Escalão... Saco o Magalhães com o código da Xica, que para ela tenho de o pagar mas esse é barato, e a Clara leva com um portátil XPTO.... Quer-se dizer..... Leva aqui com a Magda, que já tem quase dois anos e começa a ser pré-histórica, e eu, euzinha, papo um portátil tipo Ferrari sem pagar um chavo!...

Garantido! O gajo, que não é o Sr. António, tem o meu voto.

25 comentários:

Mente Quase Perigosa disse...

Limpinho, Chefa. Só À conta dessa também estava capaz de votar nele.

Nããããaaaaa... Acho a criatura por demais irritante... Não consigo, sorry.

tereza disse...

Só tenho uma palavra para ti - Borla!

calamity jane disse...

Borlas tb o meu amigo do Correio da Manhã me arranja e não é por isso que voto nele.

(se bem que se ele fosse candidato, mais depressa votava nele que na "criatura irritante" - boa designação, mana, exceptuando, pchtáclaro, as criaturas irritantes em geral que não têm culpa)

Mente Quase Perigosa disse...

É que por acaso a criatura a mim nunca deu nada...

Ainda se tivesse dado...

calamity jane disse...

Tb depende do quê, não é verdade...

calamity jane disse...

(MEDO!)

tereza disse...

Ó Gaijas, eu elegi há tantos anos o Cavaco como criatura irritante que agora todos os outros me parecem deuses...

calamity jane disse...

Numa coisa, as duas criaturas combinam: só estragam uma casa.

(pena é que seja a nossa...)

Mente Quase Perigosa disse...

Ao menos este é mais giro que o Cavaco!

calamity jane disse...

Ai filha...

Mente Quase Perigosa disse...

Por comparação, CJ, só por comparação...

tereza disse...

Muito mais giro, Peixa.... E, pelo que a minha mãe conta, podíamos ter sido irmãos...
(era giro, não era?)

calamity jane disse...

Só se for... Mas mesmo assim, faz-me pensar naquelas estórias que se contam sobre últimos homens e ilhas desertas e assim.... Coisas deprimentes às quais comparo longos períodos de celibato...

calamity jane disse...

Confesso que estou impressionada.
Não queres desenvolver?

tereza disse...

Homens e ilhas desertas fazem-te pensar em longos períodos de celibato?
queres falar, CJ?

tereza disse...

(é uma história comprida e que mete terras natal e arrastares de asa...)

calamity jane disse...

Admito que a criatura não é monstruosa, mas consegue irritar-me tanto, mas tanto, que acho que assim como assim, entre ele e o celibato (que já conheço), optava por este.

calamity jane disse...

(aogra de repente confundi-me toda e já achava q o tipo era algarvio, mas não, algarvio é o outro e tu és coimbrã...)

calamity jane disse...

E o pai da criatura? Era alguma coisa que se aproveitasse?

(balha-te deuje, rapariga, do que te safaste...)

tereza disse...

(eu sou, mas ele é da cidade das neves.... tal como a minha mãe... e não sei como é o pai, mas querendo acreditar que a minha mãe sai a mim, se fosse assim muito muito bom seriamos irmãos de certeza...)

Mente Quase Perigosa disse...

Irmã de PM deve receber mais pc's à borla do que as pessoinhas normais, n'é?

Anônimo disse...

:))

gaija do norte disse...

tás perdida, chefa! o pm é um dos nossos pastors mais fieis e agora já sabe que o queres enganar... e pato? chamaste-lhe pato? vais aguentar a magda mais dois anos!

tereza disse...

Senhor Engenheiro Pato, longe de mim locupletar-me à custa do Estado. Este novo portátil (Borla!!!) é só uma forma de dar o meu modesto contributo na prossecução da sua iluminada política sobre as Novas Tecnologias dando mais um passo, modesto mas o meu, para que o nosso país, que tão bem orienta, atinja a meta de um português um computador.

(gaija, achas que me safei?)

gaija do norte disse...

(não sei se ele vai perceber tudo, mas depois de um ministro lhe emprestar um dicionário ele chega lá. talvez tenhas sorte!)