A ver se me aguento até ao fim do mês no registo. Não é fácil, nada facil...

Se eu tivesse que ir para uma ilha deserta e só pudesse levar um livro, um único livro, havia de escolher o "Zézé Camarinha, o último macho man português", edição Livros d'hoje.

O autor, José de Camarinha, é dos nomes mais incompreendidos e mais vilipendiados das nossas artes e merece, na minha opinião, uma leitura atenta e o respeito da sociedade em geral e das pessoas que apreciam as artes em particular.

José de Camarinha partilha com o leitor atento, em cento e setenta e cinco profusas páginas brilhantemente escritas e em mais uma vintena de páginas centrais com fotos, toda uma vida de dedicação ao próximo, todo um exemplo de peleja pelo desenvolvimento económico de uma região. O autor desvenda os meandros das ancestrais artes de sedução, numa autêntica homenagem à poesia que há num relacionamento, um misto de sensibilidade e inteligência na abordagem.

O autor inicia a sua obra com uma confissão, uma autêntica pedrada no charco que, a um tempo, nos impressiona e nos comove deveras. Sei que as primeiras palavras desta obra estão gravadas na memória de todo o leitor atento, mas não resisto a trancrevê-las aqui, citando de cor:

"Quarenta anos depois estou cansado. Gosto e vou gostar sempre de mulheres, mas para mim chega! ".

Depois deste início épico, pleno de força, onde emerge a pujança de uma ideia, o autor partilha connosco todo um conjunto de experiências de vida que nos fazem questionar sobre o sentido da vida, que nos convidam à filosofia. Não querendo levantar o véu sobre a mensagem deste livro magnífico, até porque o volume que cada um de nós tem em sua casa nos dá uma leitura diversa de cada vez que o consultamos, não quero deixar de relembrar o final da obra, em que José de Camarinha sistematiza todo o seu pensamento num conjunto de conselhos que todos nós devemos integrar nas nossas vidas, afinal é nosso dever pugnar por um mundo melhor, mais justo, um lugar solidário. Sem mais delongas, relembro os dez conselhos que deverão nortear as nossas vidas:

1 - Nunca vá dormir sem ejacular primeiro
2 - Tenha um ar másculo
3 - Leve uma vida saudável e mantenha-se em forma
4 - Torne-se inesquecível na primeira noite de sexo com uma mulher
5 - Nunca revele um segredo a uma mulher
6 - O homem tem de controlar sempre a situação
7 - É fundamental contrariar a vontade de uma mulher
8 - Nunca pagar para ter sexo!
9 - Provoque-lhe ciúmes e despreze-a
10 - Autoconfiança.

8 comentários:

tereza disse...

Ainda nem li o post, mas tenho de perguntar Villinhas. Diga-me lá, assim, ao ouvido, sem ninguém perceber, comprou mesmo o livro?

tereza disse...

Gosto do 4. Sei lá, faz-me pensar que há algumas noites que seriam, seguramente, inesquecíveis...

Mente Quase Perigosa disse...

Agora apanhou-me... É que eu, por acaso, tenho um certo fascinio pelo Zézé (não é desse!!! Nojo!!!).

Acho que é um símbolo. E que deve ser respeitado como tal.

Visconde de Vila do Conde disse...

Tereza, nesta fase sombria dos meus dias, em que faço tudo para ser mais do povo, vale tudo...

(ainda tenho tanta coisa para contar até final do mês, caramba!)

Visconde de Vila do Conde disse...

Mente, fascínio pelo Zézé?!!!

(isso abre um novo campo de oportunidades até final do mês, o magnífico manancial de piadas fáceis...)

Visconde de Vila do Conde disse...

Agora reparei: Tereza, quer mesmo que eu lhe fale ao ouvido?...

tereza disse...

Vilas (para quem não saiba trato assim o Visconde na intimidade), alguma vez dei o dito por não dito?

Mente Quase Perigosa disse...

Tudo o que possa facilitar a sua penosa missão, Visconde...

(atentai, porém, no parêntesis, que até uma mente quase perigosa tem limites...)