Tão simples quanto isto,

Um dos pormenores da educação que se dá a um filho é ensiná-lo a atar os sapatos. Perdem-se horas e horas a ensinar a criança a meter atacador para cima e para baixo e dá a volta e aperta.
Faz parte. É mais prático assim. Fá-lo ser independente. Poupam-se minutos de manhã quando o sono é maior que a disponibilidade para fazer essa dança dos cordéis. Pronto. Ponto.
Pela vida fora o puto habitua-se a atar os sapatos sozinho. É capaz de pedir ao colega do liceu para segurar os livros enquanto o faz. Nunca o contrário. Nunca diz "ata-me os sapatos que eu estou cheio de livros".
Podem ter-se hérnias, um braço ao peito, putos ao colo; agaixamo-nos sempre para atar os sapatos largando, por vezes o mais importante; nós ou pelo menos parte de nós. Para quê? para atar sapatos, porquê? pois não sei.

E de vez em quando era bem porreiro que perdêssemos a vergonha de esticar o pé e dizer "ata lá essa merda por mim se faz favor", ou mesmo retirar os sapatos e meter aquelas botas que, por serem 2 números acima do nosso pé, deslizam que nem uma luva e não nos obriga a meter o saco das compras e a bilha do gás e o puto e o marsupio e a revista e a chave de casa e o telemóvel que entretanto tocou e atendemos em voz alta misturado com o miúdo que guincha porque tem fome e a massa que entretanto saiu do saco e caiu escada abaixo... e tudo porquê? porque fomos habituadas a atar os nossos próprios sapatos.


Bom fim de semana :)

13 comentários:

@na disse...

essa dos dois tamanhos acima era boa se eu conseguisse encontrar, na maior parte das vezes nem o meu tamanho, quanto mais encontrar maior.

shark disse...

E há sempre a hipótese de só usarmos sapatos sem atacadores...

@na disse...

velcro, Shark?

Anônimo disse...

panfufas gandalf

shark disse...

Ou polylon, tanto faz...

@na disse...

polylon??? que raio é isso???

Emiele disse...

Vamos lá a ver: a maioria dos sapatos de senhora (digamos assim porque se entende melhor) não têm atacadores. Quem é que viu um sapato de salto alto da atacador? E lá por isso as botas de cano também não costumam ter atacadores. As minhas pelo menos não precisam de ser de número acima, enfio-as muito bem (quando muito têm um fecho eclair)
Depois há os sapatos de vela ou mocassins como se dizia no meu tempo que sou velhinha.
Resumindo - afinal quase só os ténis é que têm atacadores! :D

Estou par aqui a embirrar, apesar de achar a metáfora boa. Claro que é uma coisa bem pessoal, e marca a diferença da independência do mundo que nos rodeia.

shark disse...

A chavalinha não sabe o que é um polylon, o fecho de correr mais famoso da Nação...
Pff...

gaija do norte disse...

já por causa das coisas, eu não tenho calçado com cordões. mesmo que as sapatilhas os tenham, eu tiro-os! comecei a fazer isso quando me apercebi que nunca ia ter um palerma que os apertasse por mim

@na disse...

shark, se eu soubesse tudo não havia nada para me ensinares :P

@na disse...

11

teresa disse...

será que quando se trata de atacar não queremos deixar os nossos créditos por mãos alheias?

Gabs disse...

Hoje lembrei-me deste post. Estava no centro comercial e vi um velhote num banco, completamente caído para a frente, quase com a cabeça no chão. Eu "ai que vou ter de ver se está bem!" e afinal lá estava ele a "atacar" o sapato...