Os zigs e os zags

Lembro-me de umas escadas escuras, uma sala de espera com cadeiras desconfortáveis e revistas velhas num canto e uma janela a dar para a Ferreira Borges. Também me lembro que quando um empregado velhote se assomou à porta e disse que a Sra. Dra. podia entrar eu continuei sem me mexer. Foi precisa alguma insistência da parte dele para eu começar a pensar - é que se estava sozinha na sala a Sra. Dra. devia ser eu...
Foi há 22 anos, tinha acabado o curso de Direito há uns dias e esperava para ser recebida pelo meu futuro patrono. Eu vinha recomendada por um ex-professor e ele era um tipo ainda novo mas uma grande promessa na advocacia e com queda para a política, dizia-se. Eu embirrava com o gajo, mas achei que era só mais um dos meus embirranços sem sentido, tinha que começar a ser mais adulta, a tratar da vida como os crescidos - falava com ele e de certeza que iria concluir que estava enganada.
Falei. Ou falou ele. Sedutor, insinuante, cheio de esperanças no futuro e duplos sentidos no presente. Eu podia começar de imediato, se quisesse.
Não quis e saí de lá a embirrar com ele ainda mais do que antes de ter entrado. E ainda hoje continuo a embirrar, mas talvez tivesse feito bem em ter aceite aquele estágio, que o jogo dele ainda não acabou mas os prognósticos continuam os melhores. O tipo safou-se bem na vida e continua a safar-se, não continua Dr. Dias Loureiro?

10 comentários:

gaija do norte disse...

(bem podias ter falado mais um bocadinho sobre os "duplos sentidos no presente")

shark disse...

(sim, faltam os pormenores sumarentos)

shark disse...

(Embora dê para concluir que ele tinha escarrapachado um sentido obrigatório e ela deu-lhe com o sentido proibido nas ventas...)

gaija do norte disse...

(mas isso é que tinha interesse... o sangue!!!)

Anônimo disse...

és como eu, sou uma 'puta' gratuita e de boa qualidade para tudo o que é homem das obras e gajo honesto, e dei tampa a tudo o que era foda institucional, daquelas que arranjam empregos e carreiras, são gord@s e viscos@s y no me gusta

----

mas nós gostamos de nós assim, né?

teresa disse...

Se gostamos, z...

Ai querem sangue? É que armo já aqui um arroz de serrabulho...

Rachel disse...

Ai eu também tinha taaaanto para dizer do Sr Dr...
Mas não posso, o meu pai não deixa...

O que eu já vi passar aqui pelo escritórioooooo...

Aiiiii, esta fdp desta urbanidade entre colegas e mais todas as outras fdp das expressões deontológicas...

tab@sco disse...

É extraordinário como é que o dito Dr. DL se recorda que em 2001, no dia x (ainda vá que não vá), ás 4 da tarde...(esta aqui é que é de pasmar)teve a reunião com o Dr. Marta. Há 7 anos atrás!!! Extraordinário!! É por estas e outras que nunca serei politica , esta gente é de superior inteligência e... memória (travestindo completamente o termo memória).

tab@sco disse...

Este (Dr. DL)é como a nossa Fátinha (Felgueiras), aliás é uma caracteristica que todos partilham, que é a auto alienação da realidade. Será que isto se come, se bebe, se ensina na cartilha, se cheira? Dão-se alvissaras a quem saiba!

sem-se-ver disse...

mundo pequenito, hein?

:)))