As escolas públicas são boas

Estava aqui a pensar, e as escolas agora são bem melhores do que eram.
Há bocado estava a comentar num post, que os professores andam todos chateados, que agora têm mais trabalho, estão mais tempo na escola, azar é como nas outras profissões. Mas sim,o problema é mesmo a tal avaliação a que são sujeitos. Porque ser avaliado pelos séniores da escola, não significa necessariamente ser avaliado pelos melhores. Nos colégios privados presumo que façam alguma entrevista, analisem o CV e a própria pessoa, nas escolas públicas têm o que lhes calha. E é muito difícil um conselho livrar-se de um professor "mau"- vai a Juntas médicas, etc.
E os professores são, na maioria bons, competentes. Os miúdos têm uma série de coisas que antes só havia nos colégios, aulas extra curriculares de inglês, música, ginástica, aulas de apoio, clubes de xadrez, de bikes, de teatro, de bichos. Estão até às cinco na escola e almoçam por um euro e pouco. Podem não gostar da comida, mas têm sopa, água, ementa variada com os grupos alimentares todos.
Têm bibliotecas. Têm plano nacional de leitura. Têm computadores e áreas de projecto. E isto desde os seis anos.

E nós como era?
A partir do ciclo andei em escolas públicas e era, primeiro tempo, faltou. Tudo para a sala de convívio. No segundo temos, no terceiro não há ainda professor, no quarto sim , mas já está tudo tão excitado que o professor que anda ele próprio na faculdade, não nos consegue disciplinar... A seguir há uma RGA, e depois vamos para casa. Depois no complementar melhorou um pouco. E se queríamos música, e coisa finas,como ginástica e inglês, fôssemos de autocarro para o Cambridge . Que os pais não tinham tempo para nos levar, ou meios, nem nós queríamos (olha o betinho!).
Sim, sem sarcasmo,temos muita sorte em ter escolas públicas boas. A dos meus filhos é. E a de muitos outros também.

6 comentários:

Psantos disse...

As escolas públicas são quem prepara melhor as crianças para a vida real. Para as injustiças, para as competições. Nas privadas protegemos os filhos, mas teremos que os ajudar a lidar com as adversidades depois, quando mais velhos, queriamos pantufas.
A avaliação tem que ser feita. No mundo privado somos avaliados todos os dias. E ainda há professores que faltam porque lhes apetece e que não preparm convenientemente as usas aulas. Pode até acontecer que sejam mal avaliados e se cometam injustiças, mas na globalidade força os professores piores a melhorar. E a avaliação é continua, há sempre melhorias a fazer e correcções.
Teremos um melhor ensino. Depois podemos solidariezarmo-nos com os professores na batalha de ganharem bem.
Eu vejo assim!

O Santo disse...

Eu concordo que as escolas publicas teem os melhores professores que temos (pq sao os mesmos que dps tb dao nas privadas) e tb acho que nao faz mal avaliar. Mas a gabs tem razao, quem avalia??

Gabs disse...

Posso ser eu, a avaliar os dos meus filhos....

O Santo disse...

nao nao podes, os pais sao parte interessada, nao podem fazer parte da avaliacao (por todo o granel que isso daria)

Gabs disse...

Oh, que pena...
Levas isto muito a sério. Podiam ser geridas por gestores profissionais e assim os professores eram contratados pelo mérito (e cunhas de vez em quando).

teresa disse...

Isso é o modelo da escola particular...
também concordo com as virtudes das escolas públicas e a necessidade de avaliação dos professores. também não sei se este será o melhor modelo, mas sei que neste momento os professores são a classe profissional mais sindicalizada e a que mais anos viveu num limbo umbiguista onde os direitos eram muitos e os deveres muito poucos.
Os profs estão na rua? Há uns anos eram os alunos - PGA, propinas, numerus clausulus. Tudo foi contestado e tudo cá está e a funcionar. Será preciso afinar alguns parafusos? Sem dúvida, mas para isso é precisa mais flexibilidade negocial da parte dos professores.
Têm de fazer trabalho de secretaria? que pena, nós todos também temos. Levam trabalho para casa? Sempre que tive trabalhos dependentes também trazia e tal como eu muitos mais trazem - Santo e Tab@sco,só para dar dois exemplos, vocês não trabalham fora das horas de expediente?