Manifestação dos professores em Lisboa



Ah ! Eles vêm aí!

Evitem o centro da cidade!

Ps: Ministra de educação já afirmou que não vai mudar a política do processo de avaliação de desempenho dos professores, e espera que os sindicatos cumpram o memorando de entendimento." Os professores não querem ser avaliados, não há outro modelo disponível..."

dissa ela, a Ministra MºLurdes

13 comentários:

tab@sco disse...

Tanto quanto posso retirar dos telejornais e de amigos professores, eles não querem é ser avaliados mediante o modelo de avaliação da Sra. Ministra (e percebo muito bem os argumentos e sou a favor da sua contestação). Reconheço no entanto alguns aspectos positivos na reforma. Quanto à necessidade de avaliação profissional (outra que não esta) e progressão por mérito os professores perceberam bem que lhes ficava muito mal defender que não queriam ser avaliados!
Agora o nosso 1º que se cuide, porque uma manifestação de 120.000 alminhas é muito impacto nas legislativas (tirando todos os outros, com todos os outros motivos)

Gabs disse...

O P.s eram palavras textuais da ministra ao jornalista da TVI : "os professores não querem ser avaliados" e este "é o modelo que negociaram com ela durante meses."
Eu sou mãe e dona de casa e tenho filhos, não posso chegar tarde por ter reuniões. Azarucho.

teresa disse...

A minha pergunta é só uma - quantos, dos 120.000, leram a legislação? Há uns meses escrevi um post sobre isso e já na altura achei que a contestação era um pouco ridicula (http://cabradeservico.blogspot.com/2008/01/ns-que-queremos-ser-os-presidentes.html) principalmente porque o que estava em discussão eram formalismos sem sentido.
Não voltei a ler a lei desde ai mas não acredito que tenha sido muito alterada e, se não foi, os professores não têm assim tanta razão.

sem-se-ver disse...

teresa, querida minha, não digas disparates, fofinha.

eu um dia destes até te conto tudo tudinho para que percebas que não são formalismos sem sentido que estão em causa, mas agora, desculpa, não posso (tenho de ir namorar). mas fica prometido.

:-)

120.000? eia! mais 20.000 que no ano passado? eia!!! irrelevante, imagino que terá dito a Ministra...

(somos, no total, 140.000... teresinha, minha cabra chefe, não achas que é número para te fazer pensar que 'formalismos sem sentido' não consequiriam nunca em parte alguma do mundo tanta unanimidade numa classe que sempre foi tão dividida?...)

beijinhos, até amanhã.

sem-se-ver disse...

ah! e posso responder-te mais objectivamente: TODOS TIVEMOS QUE LER A LEGISLAÇÃO PORQUE TODOS TIVEMOS QUE SER, NAS NOSSAS ESCOLETAS, OS JURISTAS PARA LHE DAR FORMA REGULAMENTAR nos instrumentos de avaliação que criámos por nós próprios, sem orientações nem indicações nem formação, tal como a LEI nos obriga. :-)

giro, né?

(só na minha escola foram 4 as versões discutidas e analisadas. e as impostas, este ano, constituem um conjunto de cerca de 60 páginas para avaliar diferentes itens da nossa actividade (entre grelhas de avaliação do conselho executivo, dos profs titulares que nos vão avaliar, de departamento, de grupo, de projectos, and so on...)

eu depois dou-te detalhes. mas ficas com uma ideia, espero, de quanto os professores SABEM DO QUE ESTÃO A FALAR quando protestam desta forma.

agora vou, que estão à minha espera.

beijinhos.

teresa disse...

Falamos nisso quando quiseres, mas a ti faço-te uma pergunta - foste lá? Não me cheira. Acho que tu, tal como muitos outros, sabem o que se discute, e sei que sabes, já o discutimos e dou-te razões (algumas...), mas continuo a dizer que a maior parte dos que foram nem a lei leram.

teresa disse...

Vai que falamos depois, mas quanto mais dizes mais eu acho tudo surreal. Quatro versões? Que eu saiba só há uma. E sim, concorri uma vez, há muitos anos, para dar aulas. Os papéis de candidatura eram a coisa mais complicada que vi até hoje. Nem um concurso público de milhoes e com um caderno de encargos de 200 páginas é tão difícil, mas fazia parte - dava importancia ao acto...
Desculpa que te diga mas continuo a achar que grande parte dos professores é incapaz de perceber o boletim do euromilhões. Claro que retiro uma parte que, como tu, são excelentes profissionais e, para além de saberem do que falam, têm amor à camisola. Mas já te disse que a mim, um professor(a) de uma EB 2,3, numa conferência sobre trissomia21 em que se pretendia esclarecer duvidas sobre como lidar com estes alunos ( Clara, claro, que nunca antes a escola tinha tido outro caso) me perguntou se a trissomia se pegava.... Tenho a certeza que hoje este(a) lá esteve a contestar o que não percebe nem nunca se preocupou em perceber.

Anônimo disse...

fiquei contente de te saber amiga do teu ex, és inteligente, é bom para todos e precisamos sempre de bons exemplos para alimentar a esperança,

sobre isto dos prof.s está lindo está, deve ser lindo lutar contra a desmotivação imposta pela burocracia mais os pais

Gabs disse...

Quoi? Vous parlez avec moi?
Uma coisinha só, eu dei aulas, e ao terceiro ano a dar 9º ano de português já sabia o Auto Das Barcas de cor, sem falar dos sonetos de camões e do programa todo. Se agora é preciso0 passar mais tempo na escola, azar, é cfomo nas outras profissões, e se o tempo é ocupado a corrigir testes e TPCs ou na preencher papeis, é irreleante. Não me venham é com a história de que "nem conseguem preparar aulas", pois os livros têm a papa feita e se não têm depois de ter dado um ano, não é preciso muita inteligencia para dar aulas. O maior problema é a empatia com os alunos, a disciplina e aturar os paisd e os outros profs, que realmente, parece que são escolhidos a dedo. Essa da Trissomia 21 não me espanta nada.

O Santo disse...

Gabs, desculpa la mas nesta nao tens razao. Os profs deviam poder dedicar-se ao ensino e a aprender para ensinar melhor. O "saber de cor" nao chega, é preciso cada ano saber o que se passa no mundo para o ensino ser actual. E isso nao se consegue com papeladas e resmas de coisas burocraticas para fazer. Se nao fazem isso nem se actualizam... isso ja e outro problema.
(passem o tempo na escola ou nao)

Gabs disse...

Pois, em Literatura Portuguesa o programa varia muito pouco. E os manuais de inglês quase dispensam a presença dos profs. com as cassetes e o resto. E eu actualizo-me constantemente, vai mas é ver a bola, que eu sou bem humorada...

O Santo disse...

o programa varia pouco, e felizmente senao nunca se aprendia o mesmo e era complicado, a forma de o apresentar e q deve variar. e sabes isso tao bem ou melhor que eu o bem humorada...

Gabs disse...

Desculpa lá, eu já nem dou aulas...
Só me está a chatear esta algazarra toda quando eu só transcrevi a resposta da ministra.
Eu era contratada e não tinha estatuto nenhum, mas era muito mais inovadora e empenhada que aqueles cotas todos...Que são os que avaliam? Ainda não percebi nada.