A Tesoura.

Desde o primeiro post deste blog, que não foi um post, foram quatro seguidas, que a caixinha das cabronices está aberta a quem por lá quiser passar. Não há moderação de comentários e muito menos censura, que quem vai à guerra dá e leva e tenho mais é que me aguentar ou ir jogar ao berlinde para outro lado.
Nunca apaguei um comentário, mesmo quando tudo indicava que não passavam de provocações muito muito rasteirinhas que, apesar de não estarem assinadas, traziam envelope, selo, destinatário e remetente escrito a vermelho e em letras que mesmo sem óculos consigo ler à distância.
Tudo isto foi verdade até hoje de manhã. Hoje dei uma tesourada valente. Hoje cortei e deitei fora. Lixo. Rua. Fossa com ele, que isto aqui não é lavandaria e, se tiver que o ser, ao menos que seja de dinheiro, que está na moda e sempre ganho alguns trocados.
A tesoura já foi guardada outra vez e espero que para sempre. Ou talvez não. Quem quiser fazer um strip na caixa de comentários esteja à vontade que eu aplaudo de pé. Vir de pijama, robe, chinelos de quarto, com dentes por lavar e remelas nos cantos dos olhos não recomendo. Para além de muito pouco estético é demasiado caseiro para andar a fazer visitas e esta, apesar de ser casa de muita gente, não é a casa da joana de certeza.

3 comentários:

corte na casaca disse...

Eu por mim, desde que não cortes nada que me possa fazer falta...
:-)

não fui eu que disse isto disse...

Eu acima sou o tubarão undercover (porque adoro disfarçar-me de anónimo para reinar ca malta e poder mandar uns hellos à babysitter sem medo do GNR dela...).

teresa disse...

Olha o guru.... ó pazinho eu pedi autorização em privado e tu respondes em público? Andas a aprender comigo?

Mas pronto, está feito está feito e foi só um acesso de mau feitio, que de vez em quando dá-me para ser mais cabra ainda.