O Scolari sou eu.

E fica assim.

Tal como a selecção, que já disse que não somos menos que eles, os treinos deste blog foram abertos ao público e toda a gente teve direito a palpites.
Ouvi o Mixoterapista, o Madaíl, Pintinhos e Majores, árbitros, a sra. Merkel e o Sarko ( o Bush já é carta fora do baralho e o Bin Laden ninguém sabe onde anda), políticos cá do burgo, camionistas em greve, os irlandeses que hoje foram a votos, gajos da massa (estás bom, Shark?), o JPP que manda na blogosfera, o Moita Flores que quer mandar, amigos do peito, accionistas, público em geral, emigrantes, imigrados, donas de casa, ouvintes dos programas da manhã, o Zé Eduardo Moniz (que nos audiovisuais manda ele), as minhas filhas, a minha mãe (mentira!, que ela sabe que sou cabra mas de serviço também não), mandei email ao Paulo Querido mas ainda não tive resposta, bichanei ao ouvido para o lado direito da cama, ouvi as trovas do vento que passa, ouvi quem quase não fala, ouvi o Santo ( António, que hoje é dia dele), ouvi o Emplastro, que ele é quem percebe destas coisas de ver e ser visto, e ouvi o meu avô, que já morreu há muitos anos mas que ainda fala comigo.
Depois de tanto ouvir fiquei quase exactamente na mesma, que vozes são muitas e nem todas chegam ao céu.
Assim, tive de decidir sozinha e já que me chamam boss, levem com uma bosseria.

Gosto de branco. Gosto muito de branco. Gosto de preto, mas é traje de noite e se usado e abusado perde o efeito. Não gosto de escrever num blog preto, apesar de achar que é muito mais bonito.
E eu disse que tinha ouvido o meu avô.
E o meu avô disse-me, há muitos muitos anos atrás, para ter cuidado com o batôn. Que ele sempre vira a minha avó de lábios pintados e se, por acaso, acordava antes dela, lhe parecia que estava morta por tanta lividez. Pediu-me para ter cuidado e eu, até aqui, continuo a ter. Caixa de maquilhagem é caixinha da saúde e só uso se preciso. Nos dias normais what you see is what you get e, neste blog, enquanto não tivermos olheiras a caixa da maquilhagem fica guardada.
Deixo os vermelhos e os laranjas, que são cores quentes e gosto da mistura, fica a nova cara, que agora esta casa deixou de ser só minha e pobreza franciscana já era, mas mudo para branco, que até ao fim do campeonato quem manda sou eu e os milhões do russo ainda não chegaram.

Tal como tinha dito, a rebaldaria acabou e este (ou esta, nunca sei) é o (a) nova (o) Cabra de Serviço.

8 comentários:

gaija do norte disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
teresa disse...

ò gaija eu sabia que tu eras uma das boas apostas...

Emiele disse...

Teresa, parabéns!!!
Eu passei por cá várias vezes, mas nem piei, que o blog é teu e cada um faz o que lhe cabe na real gana.
Mas...
Quando 'montamos' um blog a primeira vez, se escolhemos o preto, OK. Mas se já tinhas tido uma versão muito mais alegre e luminosa, passares para o preto, sniff... fiquei mesmo desapontada! Conheço os argumentos pró. Respeito-os. Mas um fundo claro pode ser muito menos sofisticado, mas dá outra alegria.
Cá por mim fizeste muitíssimo bem!

teresa disse...

Emiele,

Obrigada. Achei imensa graça a estas (des)construções publicas do blog, que acho que um blog é isto mesmo, uma massa onde todos podem meter as mãos, quem escreve, quem lê e quem passa só por passar. Mas como expliquei, alguem tinha de decidir e decidi. E gosto muito mais desta luz.

faraó dos mares disse...

(E eu gosto muito da Cleópatra desnuda. É o pormenor que me faz sentir em casa.)

Gabsna net disse...

Ok, branco e puro, e cigarritos apagados que eu não fumo e tenho asma...

teresa disse...

Cigarros apagados?? Asma?? Não fumas?? Tá bem, tá...

teresa disse...

Tutankamon do Mar da Palha,

E o nariz? Já reparaste naquele nariz? Só tens mesmo olhinhos para o pecado...