O post que me (nos) tirou o sono.

Está lá, guardado nos arquivos. Passou por aqui pouco tempo e ficou à espera de melhor hora. Fui eu que o tirei, quando o vi, apesar de não ser meu. Fiz o que não devia fazer, fiz o que sempre disse que não faria. Mas fiz.

Depois disso foi falado, discutido, esmiuçado. Deu comentários que não chegaram a sê-lo, deu outros posts que parecem vindos do nada. Vieram dele, daquele que continua lá, no arquivo para onde foi.

Todos nós que escrevemos aqui o fazemos por alguma razão. Todos temos alguma coisa que queremos que os outros leiam, ou oiçam.
No post que está nos arquivos está um grito. Um grito igual aos gritos que nós também já demos, mas há muito tempo atrás. Um grito que só é possível ser dado quando se tem 22 anos. Ou 20. Ou 30. Ou o que seja, que estes gritos, apesar de acabarem sempre por sair, não escolhem tempo nem idade. Nem forma. Nem ouvidos.

O post vai deixar de estar nos arquivos. Vem para o sitio dele. Vai ficar aqui, logo por baixo deste. Mesmo que a mim me custe, muito, ler o que lá está escrito.

Baby Sitter, o palco é teu.

Um comentário:

baby sitter disse...

Agora que o grito saí-o...
Volto a ler e sei,para além do grito existe mais de mim...
Está cá é verdade e teem razão até...mas...