O imposto Errol Flynn

Dê as voltas que der, cada vez que me falam do Sócrates e do Robin dos Bosques meto-o logo na pele do Errol Flynn. É que eu acho que é um Robin dos Bosques elegante e que lhe assenta muito bem.
E depois isto também é assim tudo um pouco hollywoodesco, portanto, Flynn com ele.

Ora vejamos. A Galp compra o petróleo e vende-o nas gasolineiras passados três meses, em média. Entre a compra e a venda o preço já aumentou o que todos nós sabemos e, como o preço da venda é calculado segundo a cotação diária do petróleo e não sobre o que a Galp pagou por ele, é só embolsar. Parece que assim, em números gordos, são mais de 400 milhões de euros de lucros só daqui. O resto são outras cantigas e outros milhões.
Que faz o nosso Errol Flynn? Saca 110 milhões à Galp. Deixa 300 que isto é um filme de Hollywood, lembram-se? Com esses 110 milhões paga uns passes sociais, apoia mais umas tantas famílias, dá umas benesses no IRS e ainda fica com 25 milhões de lado para o que der e vier. É um benemérito, este Errol.
Só tem uma coisinha de que não gosto - a mania dos collants verdes. É que sempre que vou pôr gasolina e vejo o ponteiro mexer cada vez menos penso no imposto sobre os combustíveis que o nosso artista teima em não descer, que precisa dele para o pé de meia, ou para a meia do pé, e fico chateada, pois fico, que isto de andar a pagar os collants dos outros, ainda por cima verdes, não me agrada por aí além!

4 comentários:

O Santo disse...

so nao percebi como foste parar ao errol flynn.
eu quando tomei conhecimento da notícia também achei que estavamos perante mais um "ganda" filme, só que me aproximei mais Robin do Mel Brooks. mas admiro, sem dúvida, essa tentativa de achar que os senhores levam isto a sério.

teresa disse...

ora, mas eu expliquei...

O Santo disse...

eu li explicação... mas continuo a achar que o nosso primeiro faz cada uma que só mesmo o tio Mel é indicado para cineasta. É que só mesmo para rir.

gaija do norte disse...

o que eu não dava para ver o socras de collants verdes...