Contos Tradicionais Portugueses.

Era uma vez um rapaz que pediu a uma rapariga: “Casas comigo?”
A rapariga disse “NÃO!”

E a rapariga viveu feliz para sempre, e foi às compras, foi de férias, conheceu gajos lindos, andou de moto aos fins semana, fez ski no Inverno e nunca teve de apanhar meias sujas do chão.

12 comentários:

O Santo (nem sempre de serviço) disse...

"E ela disse que sim..." in Namoro by Sergio Godinho

zbeb@ disse...

Esse devia ser o único gajo do mundo que se queria casar....e deu logo com a única que não queria.
Coitado!!!

teresa disse...

Ó Santo, namoro não é casamento...

zbeb@, olha que não, olha que não... conheço mais dois ou três casos... vocês é que andam distraídos..

O Santo (nem sempre de serviço) disse...

uma senhora que diz sim nao e senhora

teresa disse...

só não é se não tiver voado na sala a dançar a rumba.

O Santo (nem sempre de serviço) disse...

até a malta gritar??

teresa disse...

ai, benjamim...

Santa da ladeira disse...

Mulher inteligente!!!

teresa disse...

ó santa, isso era para mim? é que também lhe posso fazer a gestão do património, se assim o desejar...

santa da ladeira disse...

Obrigada Teresa, mas tenho gerido bem o património até porque nunca perdi tempo a apanhar meias sujas do chão...

teresa disse...

Santa,
nunca pensei que o tivesse feito, que santa é santa, mas se quiser quem olhe pelos oiros... é que a vida custa a todas,,,

JAKIM disse...

Contos Tradicionais Portugueses


Versão II:

Era uma vez um senhor de meia-idade que pediu a uma rapariga: “Casas comigo?”.
A rapariga disse “SIM”.

E a rapariga viveu feliz para sempre, e foi às compras, foi de férias, conheceu gajos lindos, andou de moto aos fins semana, fez ski no Inverno e nunca teve de apanhar meias sujas do chão porque lá em casa, entre muitas outras coisas, havia um balde (com tampa) para a roupa suja.

Moral da história: não tem, é completamente imoral.