Voltem pázinhos que eu gostava de vocês

... ou "Os blogs que não viraram livro", ou "Eles andaram aí", ou "Pégadas na neve" ou mais uma dezena de títulos que podia pôr neste post. Por causa da Catarina, e dos prémios, e das nomeações, andei aqui mergulhada na minha lista de favoritos. Há muito que não passava por lá e, para terem uma ideia do que falo, vou já adiantando que tenho uma pasta chamada "Blogs" (é boa, o nome é original...), que essa pasta está dividida noutras 34 pastas e todas estas pastinhas estão atulhadas até deitar fora. Blogs, muitos blogs.
Estas novas tecnologias são excelentes para pessoas como eu, que gostam de guardar tudo mas depois são alérgicas ao pó. É que me parece que acabei de sair do sotão da casa da minha mãe, com a enorme vantagem de não ter as mangas do casaco a brilhar de tanto ter limpo os pingos que começam logo a escorrer do nariz. Encontrei coisas que não via há muito tempo, reencontrei memórias quase esquecidas, lembrei-me de onde estava quando li isto ou aquilo, fui cuscar na pasta "emails de blogs" os emails que troquei com tanta gente (já vos falei naquele email dos Gato Fedorento, pshiuu, eu sei mas há gente que ainda não sabe e não posso perder uma oportunidade destas!, a proibir-me de lhes mandar piadas com mais graça que as deles? Ah!, pois é...) e acabei a dar uma volta pela cidade velha, os blogs veteranos, os blogs com arquivos de 2002 e 2003.
E nestes blogs velhinhos há dois que ficarão sempre no alto das minhas colunas de favoritos. O Where is Raed porque foi a porta por onde entrei para este mundo e O Blog dos Marretas porque foi o que me levou a, poucos dias depois de eles terem aparecido, ficar uma noite inteira às voltas com o html até finalmente ter criado um blog onde escrevi um único post, mas até hoje aquele de que mais me orgulho. O título era "Teste" e o texto "Consegui!".
Mas nesta viagem feita de url's e links dei por mim a pensar em todos aqueles blogs que fizeram parte do meu dia a dia, onde alguém escreveu posts com o mesmo gozo com que eu agora aqui escrevo os meus, mas que chegaram ao fim e foram ficando perdidos onde já quase nem o Google os encontra. Não aparecem em catálogos, não estão em bibliotecas, não são citados, nem linkados nem estão sequer a segurar a porta da sala para não bater com o vento. E não eram blogs bons, são blogs bons, porque o que lá foi escrito por lá continua, para quem um dia, como eu hoje, por lá passar.
E é em nome dessas horas todas de enorme prazer que me deram que decidi agradecer-lhes na medida do meu possivel. Assim, de vez em quando, deixarei aqui, no Cabra, uns posts desses blogs que não morreram, só deixaram de ser actualizados.

O blog de hoje não é dos mais antigos nem dos que mais duraram, mas durante um ano, de 16 de Dezembro de 2005 a 16 de Dezembro de 2006, todos os dias o Ricardo deixou mais uma pergunta. Como ele diz Foram 365 dias, 365 posts, 365 perguntas, e podiam ter sido mais se 2006 fosse um ano bissexto. Chama-se perguntar não ofende e de lá tirei as perguntas que ficam aqui. São duas, porque para a primeira, feita a 30 de Dezembro de 2005, acredito que toda a gente tem resposta...

Quando regressar à TV a Manuela Moura Guedes já estará igual à Betty Grafstein?
posted by Ricardo

Se amamos uma pessoa mas estamos secretamente apaixonados por outra, qual delas estamos a enganar?
posted by Ricardo

9 comentários:

ardiloso disse...

acredito que seja interessante, mas ocupado e texto muito grande, alguem me pode resumir? :) :)

Gabs disse...

Manuela Moura Guedes, ih ih ih, tinham razão....

Quanto a votar em blogs só conheço os da malta mas vou procurar mais, nestes que tens ao lado. ali-------

Anônimo disse...

Se amamos uma pessoa mas estamos secretamente apaixonados por outra, qual delas estamos a enganar?

se calhar é a nós próprios, não?

teresa disse...

Poios só pode, anónimo..

Resumo para o ardiloso - a blogosfera é gira, foi gira e talvez continue gira.

sem-se-ver disse...

o perguntar não ofende foi um dos melhores blogs que alguma vez conheci.

Anônimo disse...

ganda pinta aquele Ricardo

mas só vi o último post, bela saída

estive a pensar: sem dúvida que podemos amar muit@s e a verdade é essa, e ainda bem, não?

depois, de vez em quando polariza aqui ou ali, é como a luz

teresa disse...

Foi, não foi, ssv?

Z, vê os outros que alguns valem bem a pena..

Ardi dedica-te ao Ricardo que tem posts curtos

Anônimo disse...

só um por dia e logo se vê, sou pouco guloso de blogosfera

O Santo disse...

eu tb pouco guloso (neste caso), mas compenso com bué de ignorante. para ficar equilibrado.