Lembrem-me de nunca tomar.

'Pílula do esquecimento' apaga as más memórias.

Mas estas são exactamente as memórias que não quero apagar, porque delas depende a minha qualidade de vida.

20 comentários:

Comendador Antunes de Burnay disse...

Pois eu tenho três más memórias que gostava de apagar...

(isto vende-se onde?)

@na disse...

e eu gostava de apagar boas memórias, serve?

gaija do norte disse...

eu tenho algumas, mas não sei se as quero apagar. o stock está para acabar ou posso decidir mais tarde?

teresa disse...

Eu não quero. Se ficar sem as más memórias deixo de ter referência para qualificar as boas.

gaija do norte disse...

o que eu dava para só ter boas memórias...

@na disse...

o que eu dava para apagar algumas boas memórias

shark disse...

O que eu dava para somar mais um porradão de memórias às que já juntei...

teresa disse...

como me compreendes shark...

Comendador Antunes de Burnay disse...

Gostava de vos ver a querer preservar TODAS as memórias se tivessem bebido uma noite gim tónico a mais. Ou se tivessem estado na final da taça UEFA há três anos. Ou se... (deixem, esta não vou contar, eu sou só um tipo que quer apagar uma memórias, um tipo novo, e tal...)

Comendador Antunes de Burnay disse...

gin tónico (isto é dos nervos...)

shark disse...

Semos come irmões, chefa.

Anônimo disse...

eu então logo que puder esqueço tudo, ou melhor esqueço o que conseguir, não gosto de andar com tralha, mesmo sabendo que tens alguma razão Teresa, dantes eu pensava assim, agora já não, só qb para tentar deixar esta fase toda arrumada

esqueço as más e fico com as boas, ora digam lá se isto não é ser mais inteligente, não sei é se consigo

ainda há uma melhor que é integrar a má anterior como passo intermédio na boa que se segue, e então valeu a pena claro

e ainda por cima isto é verdade

PS: quanto às defesas Teresa não te preocupes que ficam sinais de alarme no subconsciente, mas melhor mesmo era que não os houvesse

Anônimo disse...

portanto adoptemos o caminho do meio como compromisso de prudência e inovação, talvez, não?

ando farto desta porra do meio, mas de facto só me consigo safar desta volta se for atinado portanto é melhor assim

as time goes by

(adoro essa canção)

teresa disse...

(também eu... e ainda hoje o Humphrey Bogard, mesmo baixito e tudo, seria o homem da minha vida.)

Percebo o que dizes, z, mas as más memórias, até para nossa defesa, ficam arrumadas muito lá no fundo e devem servir só como alertas. não tenho más memórias que me tirem o sono mas tenho más memórias que me fazem apreciar melhor as boas com que vou ficando. E tenho outras más memórias que faço questão de colar na porta do frigorífico para me lembrar todos os dias por onde não devo ir.

Anônimo disse...

eu acho os gajos agora muito mais giros que naquele tempo, embora eu seja mais daquele naipe,

e a Ingrid?, bonita

mas o verdadeiro Casablanca foi cá, no Estoril e esse filme ainda está por fazer

ali no Castelo de Nª Sra de Fátima (é uma casa 'assombrada' que se chama assim) vivia uma bailarina internacional que dançava nua no terraço...

-------
tudo bem Teresa, eu também tenho assim umas coisas mas mais feliz será o dia em que não tiver, e além disso cada um sabe de si,

está um tempo lindo por aqui, há bocado à janela até fiquei de olhos húmidos de tanta beleza

teresa disse...

Já há algumas histórias escritas, todas de ficção, mas algumas muito boas. Principalmente quando a isso se junta o urânio que era vendido aos dois lados.

hoje aqui também está um dia lindo e estou a tentar escorraçar duas adictas de televisão lá para fora, para o meio das árvores.

Anônimo disse...

só conheço fragmentos,

essa do urânio ainda bem que lembraste. Urano é o teu regente,

e as reservas de ouro do Salazar

boas árvores, hoje também vou fotografar ali um pinhal

Isa disse...

Não há nada como uma boa memória selectiva... reter apenas o importante para "savoir vivre", e o resto, passa ao lado...

Andar para a frente que atrás vem gente!!!

Isa

teresa disse...

E, mesmo que não venha, P'rá frente é que é o caminho...

Anônimo disse...

fiquei a pensar nisto ontem

eu, se metesse um papelinho no frigorífico, teria escrito: «não me apaixonar»,

mas então melhor seria dizer mudar de personalidade ou deixar que o medo vencesse em absoluto, o que é a maior das cobardias