Convidado especial

Ele tem um nome, mas por aqui é o Z. Também tem mais que fazer mas gosta de andar à caça de diamantes e de lhes escrever as histórias. Ele é o nosso Indiana Jones e esta é a história, possivel, do Braganza, The Portuguese Diamond.

Se há coisas que me desinquietam é histórias mal contadas e quando acho importante não largo o osso. Se vocês procurarem na internet 'Portuguese diamond' encontram vários links que vão a ele directo. Chama-se assim embora já tivessem querido chamá-lo de 'The Unknown' mas não passou, o nome faz parte do valor, é demasiado precioso para se conseguir apagar. Lendo as histórias em inglês que estão na net verão que se trata presumivelmente de um diamante encontrado na África do Sul e que nunca terá sido português, seria só um equívoco no nome, e ponto final. Venha então um girinho à Indiana Jones.

O nome é dado como um equívoco porque dizem que não há notícia de que o diamante tenha pertencido à casa real portuguesa. Chama-se a isto o branqueamento de uma história porque notícia pode não haver mas ele deixou rastos bem visíveis. Pode é não haver interesse em olhar para eles. Este"Portuguese diamond"não tenho dúvida nenhuma que está bem no centro da pregadeira com que D. José está representado no retrato da Aclamação, de 1750, quadro que está no Palácio das Necessidades e portanto raramente é acessível ao público.

Como é que eu tenho a certeza? Porque fui lá vê-lo e fotografei-o e medi-o e comparei com a distância interpupilar para ter uma métrica de referência e encaixa perfeitamente num conjunto de menções relativas ao mais famoso diamante da Europa durante uns séculos e ainda hoje, para alguns, o maior diamante azul do mundo. A cor vem-lhe da refracção azulada que ele tem sob certas intensidades de luz. No retrato parece azul, ou escuro, de tal forma que durante muito e muito tempo também eu pensava que era uma safira azul e nem olhava bem para aquilo.

Trata-se do Braganza, um dos mais famosos diamantes do mundo - existe uma confusão nos livros de diamantes famosos que consultei, porque existe uma menina, uma água marinha, que tem cerca de 1580 carats, e que dever-se-ia talvez chamar a Bragança, mas não o Braganza, porque temos de respeitar os 'géneros' das pedras, embora eu até seja um adepto de liberdades. Mas também existe nalguns livros quase perdidos a menção de que o Braganza teria cerca de 150 carats e tal encaixa que nem ginjas nessa pedra talhada em forma de almofada que está no retrato de D. José e que posteriormente terá sido retalhada para a pedra de talhe esmeralda que está hoje no Smithsonian Institute em Washington, pesando 127 cts. É uma história universal que sempre que uma pedra famosa muda de dono é retalhada, para imprimir a marca do novo poder e para que não se possa imediatamente provar a origem anterior. Provar para os positivistas broncos obviamente, porque para os seres normais pode-se fazer uma demonstração. A verdade é o que resiste à poeira do tempo. A verdade basta-se a si própria, já se dizia desde a Escolástica.

Desde o retrato da Aclamação que nunca mais encontrei a pedra representada em nenhum monarca português, excepto talvez num retrato de D. João VI, que ainda não vi ao vivo, no Brasil. Como é que isto se explica? O terramoto de 1755 fez correr muita tinta, o rei de Portugal era então relatado como o mais rico soberano da Europa, com fortuna equiparável aos reis da Dinamarca, Suécia e Nápoles juntos, como relata um viajante da época. Nos excertos das homilias e noutros textos o terramoto de Lisboa foi visto como castigo divino e inspirou toda uma discussão teológica e filosófica que varreu décadas.
Ora os símbolos maiores dos reinos submetidos a desgraças ficavam sob suspeição e os diamantes famosos sempre foram tidos como possíveis portadores de estranhas e enormes energias que podiam ser malditas. Esse era o caso dos diamantes famosos da Índia, que muitas vezes tinham sido originalmente usados como olhos ou adereços de ídolos, logo de deuses, e depois roubados. O Braganza terá sido encontrado no Brasil, presumivelmente, no tempo de D. João V. É de todo normal que tivesse ficado resguardado como potência, meio secreto, meio indizível. Um segredo bem guardado.


Em 1928 aparece à venda numa joalharia inglesa, a Black, Starr & Frost, e é comprado por uma tal de Peggy Joice e a partir daí a história é conhecida. Mas, e aqui entra a tal verdade que resiste à poeira do tempo, em 1928 estava em julgamento Artur Virgílio Alves Reis, depois de ter duplicado uma emissão do Banco de Portugal de notas Vasco da Gama. Assunto complicado que corria bem, mesmo para a economia nacional, até que tanta nota nova em circulação e a compra maciça de acções do Banco de Portugal fez disparar as suspeitas e a investigação. O Escudo português tinha desvalorizado brutalmente face à Libra, precisamente, e foi necessário contrair empréstimos. Com garantia, claro. Porventura isso terá acontecido uns anitos antes de 1928 não sei, porque normalmente há um tempo de latência nestas coisas. Quando me propus investigar o assunto fui bloqueado. O pior é que ouvi dizer mais tarde a um anónimo que o diamante azul tinha sido integralmente pago pelo Estado português e não tinha sido reavido.

Como hoje estão reunidos os pseudo-senhores do mundo para refundarem a finança mundial podemos recordar a lógica do embuste, e em inglês fica a dica, entenda quem quiser:

The Braganza: a fatal blue stone



Z


47 comentários:

shark disse...

O gajo tem mesmo jeito pra isto, pá...
Belo momento do nosso Cabra.

(E bem precisamos, de Gaijos que equilibrem a parada com esta seita de fêmeas que nos abafa sem contemplações com os seus inúmeros predicados.)

gaija do norte disse...

boa, z, muito boa!
aparece mais vezes, sim? :)



(ò shark, quem foi a fêmea que te abafou? ainda respiras?)

O Santo disse...

bigado Z

O Santo disse...

bigado Z

O Santo disse...

e caso nao tenham percebido...

bigado z

Anônimo disse...

olá amig@s, sim também eu me enamorei pelo Cabra e gosto de dar presentes, vai que não vai.

Presentes e não prendas, aptrendi com os nossos irmãos brasucas que não é a mesma coisa, porque prenda prende.

Gaija tinhas razão: estive lobo, foi um javali chinoca e outro celtibero que gosto de deixar o multiculturalismo equilibrado.

Vocês sabem que os chinocas são do mais desinibido que há? Mesmo, mesmo, já há milénios que não vou a Singapura e Hong-Kong mas agora felizmente anda tudo cá.

E têm uns focinhos tão giros, muito bom de dar beijocas.

É claro e é por isso que a nossa missionação por aquelas bandas foi um sucesso, canhão lusitano ora pois.

Anônimo disse...

chatice é que já me está a apetecer ir xonar, mas a esta hora é um exagero.

chatice também que entre a mata e a minha cama é 1 em 100 ou menos, mas isso a culpa é minha, nem sei porque sou assim, para dormir só aqueles por quem ia ao outro lado de mim.

teresa disse...

e fazes muito bem z... sempre disse que dificil é arranjar alguém com quem se possa dormir. :))) (isto sou eu hoje..)
mas olha chineses não... gosto de caras com mais pêlo. aquilo parece muito escorregadio e muito salamaleque com gritos de yahtzumm lá pelo meio..

8e escuso de dizer como gostei da história e como gosto das tuas histórias...)

Anônimo disse...

eu também sou gamado em peludos, adoro adormecer com uma pata no meio da selva, e os peludos gostam de mim.

O celtibero era um peludão de marca.

Mas um chinoca para variar é bom, eu tinha saudades ddos meus tempos asiáticos, e têm caras giras sim e lá para baixo é um turmoil que são piores que os brasucas, neste até tive de segurá-lo todo não fosse ele despencar-se por ali abaixo.

Anônimo disse...

e agora o que é que faço a este sono? Vou-me aguentar até às 21h mais não consigo

gaija do norte disse...

estou como tu, chefa, eu chineses é mais crepes!

teresa disse...

z,

eu e a gaija estávamos no msn a dizer que gostamos muito de ti e achei que devia dizer-to em público.

gosto muito de ti. Nunca nos vimos mas sabes que já fazes parte da família. Um beijo.

gaija do norte disse...

então dorme! depois acordas de madrugada e escreves mais uma história para nós :)

Anônimo disse...

tu deves ser um gajo porreiro Santo, só espero que não mudes, e já agora toma conta de quem sabes que eu ando sempre um pouco preocupado.

Gaija: só entre nós, mas cheguei a casa e comi uma quejadinha de gila e amêndoa

Anônimo disse...

ná, ná, odeio acordar de madrugada, eu gosto de adormecer às 11h e acordar às 8h. Ou então quando antes dava aulas muito cedo adormecer às 22h e acordar às 6h

Anônimo disse...

eu também gosto muito de vocês e nunca tive uma família a crescer tanto,

e meio ardido mas isso é cá comigo e com a bomba

Anônimo disse...

fumar dois cigarros!

gaija do norte disse...

a queijadinha deixou-me com vontade de comer doces, o que não é meu costume! ;)



(ehehehe isso do ardido nunca se tinha notado NADA!)

ardiloso disse...

adiantas o relogio para as 11h00 e ja te podes deitar...problema resolvido

Anônimo disse...

olha que prático! Oh rapaz eu não engano ninguém muito menos a mim próprio

Anônimo disse...

e além disso está quase nas 21h, já me chega

Anônimo disse...

e uma queijadinha virtual

Anônimo disse...

olha no fds é que tenho de escrever uma bomba mesmo, lá vêm uns poucos de livros, o que vale é no meio vou lendo na mata

a mata mata-me

e eu gosto

ardiloso disse...

nao era enganar a ti... de modo algum.. mas enganar o sono :)

Anônimo disse...

lindo rapaz já mandei há pouco um bocejo que até fez um estalinho no ouvido,

lá vou eu,

fiquem bem

beijos

ardiloso disse...

deitas-te com as galinhas :)

um bom sono, claro q bjs nao mando, mas cumprimentos :)

gaija do norte disse...

mas mando eu (e não percebo porque não mandas!!)

já vais no meio do sono, mas...
nana bem
beijos

Anônimo disse...

dormi que nem um texugo!

agora vou escrever uma hora ou duas

PS - só quando os homens derem beijos à vontade é que eu deixo as lutas

mas obrigatório também não

Anônimo disse...

e já reparei que fizeste de mim raia, e depois cabrinha, essas ainda vá que *m*r obriga, agora galinha não que tenho vergonha e além disso só me faltava andar preocupado onde punha o ôvo logo de manhã

ai, gaija, gaija, o dia está lindo, mas eu tenho de ser atinado este fds, só qb, o resto é desbunda

Anônimo disse...

hum, deixar isto arrumado num redondo

gaija do norte disse...

ai z, não tivesse eu tanto que fazer e dizia-te quem desbundava... mas não pode ser. estou mesmo até às orelhas!

Anônimo disse...

estava mesmo à espera que me viesses desarrumar isto gaijinha, olha já percebi porque é que o Santo é do belenenses, deve ser porque tem a cruz de Cristo no emblema, li noutro lado que era o único clube,

Santo: tu meiguinho pá

Anônimo disse...

Cristo amava João e davam beijos

portanto acho que isto hoje é para a beijocada. Agora apetecia-me estar em Cuba, salsa a entrar-me pelos ouvidos, salgadinho no bigode

mas também tenho ali uma coisa para escrever, vamos lá

gaija do norte disse...

eheheh desarrumei muito?

(vou levar o piqueno ao treino!)

gaija do norte disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Anônimo disse...

portanto, já escrevi um bocado, agora fica a pousar, fermentar, amanhã há pão

gaija, tu vais me entender


----------

senhores do Mundo:

Como podem imaginar convoquei toda a energia contida neste post para fazer acontecer. Há aí um que é ardiloso e eu também dou um jeito.

Acontece que eu quero que toda a geração desta gente que anda aqui, que tem putos, seja aliviada, e bem, do embuste que lhes fizeram, para terem disponibilidade mental e física para educarem os putos com amor, em vez de terem que engolir uns whiskies para esquecer e ficar trôpegos.

O que vocês fizeram foi exaurir a base da pirâmide até um limiar hipercrítico para finaciar a guerra do Iraque e outras cenas.

A base da pirâmide tem que ser alimentada com dinheiro positivo já, não é com dinheiro negativo. Vejam lá se vos tenho de denunciar nas contas. Não sejam burros, se vocês alimentarem a base da pirãmide com dinheiro positivo ele sobe logo por ali acima, porque a grande maioria das pessoas gosta de ter as dívidas em dia, ou pagas.

Alimentar a base da pirâmide com dinheiro positivo é praticar taxas de juro negativas. Exactamente. A dourina está toda feita no Aspirina há meses, portanto vão para o caralho.

Os Estados que acorreram a salvar os bancos têm que salvar em última análise as pessoas sob pena de se desintegrarem, literalmente isso. Não é muito difícil perceber porquê meu caro Sócrates.

Como sabem tenho na mão a maldição do Braganza, aceitei o ónus da invocação. Portem-se bem portanto, vejam lá se são inteligentes, ja vos fiz a papa toda, agora comam, eu vou passear e ou vir passarinhos, entregar-me ao Sol e encostar-me a uma árvore

tudo o que está aí em cima é tempêro

as time goes by

teresa disse...

Z, fiz de ti o quê? Galinha? Não percebo nada mas acho que estou meia a dormir... dias de sol fazem-me mole.

Anônimo disse...

não minha linda, é ali o ardilozo que é danado para me lembrar que ele é macho, como se eu não soubesse. Não posso dizer que fiquei com outro andar mas realmente este está à venda, é aproveitar, tem muito pedigree.

Este fim de semana tenho que comer como um lobo mesmo, andei a sofrer por aquilo que sabes e agora tenho de repôr, voaram dois ou três quilitos. Mas contam-me que está tudo a ir bem.

eu adoro o Sol, nada a fazer, é a figura do dom

e árvores

teresa disse...

Gosto de andares com pedigree.

Vou almoçar. Tenho andado com umas fomes de anteontem. Depois sou capaz de ir apanhar sol. por aqui parece Verão.
beijos

Anônimo disse...

tão bom o solzinho, né?

donc, mr tricheur c'est a nous maintenant, now in english: the interest rates must, I repeat, must, get down next to 3% by now. Compris?

Braganza curse, compris mr burroso?

de outra forma hipernacionalizamos o BCE não tarda, a maioria dos cidadãos dos Estados pode assim decidir em referendo simultãneo.

Pois é.

Anônimo disse...

(bem, acho que consegui induzi-los, anda para lá tudo a estudar infinitos,

aproveito para dizer que a culpada disto tudo é a arrobana :)

@na disse...

(minha??? O que é que eu fiz??????)

Anônimo disse...

ahahah!

Não aparecias cá, pimba, até fui cabra! É só para dar um xoxo

Anônimo disse...

E também porque podias por-me num ursinho_árvore que eu tenho mesmo genes de árvore e agora vou perder a folha ou assim

@na disse...

ahahaahahah

Anônimo disse...

mas depois pensas nisso,

nós árvores perdemos a folha nesta altura que é para evitar tromboses nos traqueídos

Anônimo disse...

e portanto vamos esticar as raízes, que já se faz noite

e fica num primo