Logo de manhãzinha

"Um discurso abreviado , é um discurso sucinto, ou um discurso suscinto?" são as dúvidas do "Falar Bom português".
No Bom Dia portugal (telejornal) têm esta rubrica, e interpelam as pessoas que apressadas se dirigem ao metro, ou autocarro com perguntas pertinentes. Ainda não percebi se fazem só uma, ou uma data delas, e depois as espalham ao longo da semana. Uns dizem bem, outros mal, e no fim lá vêm eles triunfantes "Diz-se discurso sucinto do latim sucintus .... a outra forma não existe!". Outras vezes dizem que se pode dizer das duas formas. Fico sempre a pensar, qual é a o objectivo disto, educar alguém, ou expor a ignorância do povo. Eu como povo, recusava-me a responder. Mas o povo tem sempre razão. E aprendi na fac. de Letras que a língua muda , ou evolui, devido ao uso, que lhe dão os falantes, e sempre assim foi, desde o latim clássico e escrito e o latim vulgar, dos cidadãos. E sabiam que o português deriva de um latim mais culto, devido à nossa romanização ter sido feita por classes socias mais elevadas, que tinham vilas e termas à beira mar (Portugal) e em Espanha deriva do latim popular, falado pelos legionários etc, que ficavam por lá no interior... Por isso dizemos " comer" e não "manducare" , mangiare, manger...
Agora vêm com a palavra "personagem" que já dizem que se pode dizer das duas maneiras...
Mas personagem vem do francês, personnage, onde é do género masculino, mas em português passou a ser do género feminino (devem ter sido os falantes...) .
E sempre se disse "a personagem principal do livro, é Tom Sawyer" etc, e ainda se ensina assim (vi no livro de português da Catarina) . Mas como no Brasil há muito se diz "o personagem" e "a personagem" (como se fosse uma pessoa) agora aqui, que se vêem telenovelas, também anda tudo a dizer "o personagem que Tony ramos interpreta..." E ainda pior "o personagem Anabela, da "Outra"... Mas como os falantes é que sabem, e se a maioria começa a dizer isto, pronto, passa a ser correcto. E qualquer dia lá está no dicionário. Se calhar já lá está. É aceitável das duas formas, dirão no "Bom Português". Está bem, bute.

6 comentários:

teresa disse...

Lembras-te de ter aprendido as cinco excepções à regra de que todas as palavras da língua francesa terminadas em "age", como personnage, eram do género masculino? Se não me falha a memória as excepções eram cage, page, rage, image e plage. Era giro quando até para aprender uma língua a táctica era decorar qualquer coisinha.

Moi disse...

Estava convencidíssima que as palavras portuguesas acabadas em "gem" eram sempre do género feminino!!!

Sou mesmo ignota!

Anônimo disse...

(epá, até eu me lembi, com e sim, o ataque está cerrado :)

Gabs disse...

Pois foi, estive mesmo para pôr isso...

Gabs disse...

Não é por isso, mas personagem é, e devia continuar a ser, só do género feminino.

coraçãodemaçã disse...

"Personnage",sim,que quer dizer pessoa.E que eu saiba,pessoa é um substantivo feminino,não?
Portanto,e em rigor,diremos a personagem.
E sempre foi assim;no e nos dicionários.
Dri