Duplos sentidos

Há um homem que corre ao fundo desta avenida. Parece fugir de uma vida, pois nem por uma vez se volta para trás.
Parece sentir-se capaz de escapar a uma realidade qualquer, um problema financeiro ou o amor por uma mulher errada, o homem que corre ao longo desta estrada sem medo dos carros que o ladeiam no alcatrão.

Acabo de cruzar com ele o meu olhar curioso e acho sem dúvida espantoso o seu ar de quem tenta conjugar alívio e aflição. Parece ter perdido a razão algures, provavelmente nos bastidores do seu dilema, mas não consigo sentir pena da aparente demência que lhe preserva a consciência de alguns dolorosos beliscões.

Há um homem que corre para fugir às emoções demasiadas, indiferente a quais as estradas que precise palmilhar para atingir um lugar calmo e seguro, pois no mapa do seu futuro multiplicam-se as incógnitas.

E eu acabo de me cruzar com ele, corremos em direcções opostas.
Talvez, quem sabe, em busca das mesmas respostas...

16 comentários:

teresa disse...

E tu também ias a correr?

shark disse...

A correr, eu? Só se fosse dentro do meu carro, chefa...
Sou filho de uma senhora doente, não posso puxar muito pelo cabedal.

teresa disse...

E ainda a outra diz que és novo para mim...Com tanta falta de fôlego??!!

teresa disse...

E "a outra" era muito respeitador...

shark disse...

Da falta de fôlego só ela poderá atestar...
Mas olha que mesmo a funcionar a tostas mistas ainda tenho um motor com um rendimento bacano,se me perdoas a euforia subjectiva.

teresa disse...

Tostas mista? 'tadinho...

shark disse...

É uma tradiçon nossa...
A pessoa pode fazer uma ideia de como será com uma alimentação menos frugal sem termos que nos escavacar todos e assim.
:)

gaija do norte disse...

podia dizer qualquer coisinha, mas não consigo perceber nada do que aqui se comenta! volto mais tarde se a coisa entretanto se compuser...

gaija do norte disse...

(já agora, gostas assim tanto de tostas mistas, tubarão?)

shark disse...

(Nem queiras saber! Nem que sejam com queijo de serpa e chourição!)

gaija do norte disse...

(ca noijo!)

teresa disse...

Pode sair uma dessas aqui para a mesa de baixo? Estou com uma criança esgalgada e muita preguiça...

gaija do norte disse...

por cá já está tudo bem alimentado e não foi a tostas mistas! vou pedir ao meu cozinheiro privado que comece a enviar-te umas comidinhas pela carreira.

(agora vou ver se acabo com o que resta de mim...)

teresa disse...

Podes mandar até o próprio. Passava aqui uns dias para desanuviar e deixava umas caixas no frigorífico.

gaija do norte disse...

mainada?

teresa disse...

Broa de Avintes e umas alheiras daquele sítio que sabemos. Quando for para cima leva a roupinha para passar e também não tenho pressa.