Da flagrante discriminação sexual no wc comum

Foto: Shark

Ainda na continuação da saga de temas vitais para a Humanidade em geral e para os machos da espécie em particular, coloco-vos hoje perante mais uma daquelas questões relegadas para um segundo plano que a sua relevância no nosso quotidiano não permite tolerar.

Será fácil a qualquer dos nossos leitores mais exigentes rotular o presente post como mais um texto acerca de assuntos de merda, algo que de resto o próprio tema justifica por si, pelo que proponho a quem não defina as prioridades com o mesmo critério que passe de imediato ao post seguinte.

Contudo, e agora que conto apenas com quem confia na minha avaliação de pertinência, passo a desvendar o tema do presente e que incide na flagrante injustiça de não ser obrigatória a instalação de urinóis a par com as sanitas nas casas de banho dos apartamentos comuns. Parece secundário apenas para quem se senta habitualmente, mas nunca o será para quem, mesmo com uma bebedeira descomunal, tem que acertar a mira no espaço ridículo que uma sanita oferece para uma mija masculina como deve ser.

É que qualquer gajo sabe o quanto nos apraz usufruir desse momento de libertação sem condicionalismos e até não desdenhamos o movimento de vaivém para, por exemplo, desenharmos qualquer coisa no chão (solo arenoso serve melhor o propósito).

E a isto acrescentamos o abominável cliché, que estará até na origem de alguns divórcios, da tampa da sanita que só serve para estigmatizar gerações de pessoas com pila e criar mais um factor de pressão no momento de afinar a pontaria. Para o gajo que mija são demasiadas coisas em que pensar.

Assim sendo, e dado tratar-se de um constrangimento que enfrentamos diversas vezes ao dia, julgo que todos temos que pugnar pela melhoria das condições sanitárias para quem urina de pé. Não só porque a vontade que dá é um gajo aproveitar enquanto passeia o cão para se passear a si próprio atrás de uma árvore ou de um candeeiro de rua, mas porque mesmo as mulheres devem abraçar esta causa que lhes poupará tantos pingos que qualquer sacudidela mais vigorosa pode acarretar.

É uma questão humanitária de suma importância, contrariamente ao que se possa numa primeira análise pressupor.

E se não perceberem bem onde está o problema de nos confrontarmos com louça sanitária mal concebida, aberrante até, quase parecerá natural que passem a aceitar como solução generalizada, por exemplo, a que ilustro mais acima...



44 comentários:

gaija do norte disse...

tens algum problema nas articulações? dobra os joelhos, senta-te e aproveita para descansar os pés!

shark disse...

Para fazer uma mijinha? Deve ser, deve...

O Santo disse...

o sentar é sempre discutivel... sentamo-nos onde?? no chao?? nalgum banquinho que por la exista?? mas dps ainda e mais dificil que o repuxo seja bem direccionado. mal por mal ficamos ali pela zona de pe e seja o melhor possivel.
mas aqueles vasos rectangulares compridos nas varandas e terraços sao uma maravilha

shark disse...

Atão e tu já viste, ó Santo, que um gajo para mijar sentado tem quase que enfiar o dito no... enfim... para conseguir um ângulo capaz? Isto não são coisas para levar de ânimo leve...

(Bem vistos, os vasos rectangulares. A uma avó minha estavam sempre a secar as plantas...)

teresa disse...

Excepto o nem querr pensar em como será ter de lavar um urinól, nada contra. No entanto, e porque será complicado arrancar azulejo e instalar canalizações, tenho duas soluções para V. Ex.as os senhores mijinha de pé - um funil dos grandes, que tem a vantagem de ter pega e tudo, ou uma mangueira (qualquer meia polegada deve ser suficiente) e os meninos já se podiam divertir imenso a fazer xixis de repuxo. Se acham que isto não resolve tenho mais duas soluções - fraldas descartáveis ou uma algália.

tou chocado disse...

Uma algália??? Ó Chefa, se não gostas não estragues...

teresa disse...

ahahahahah.....
Só te queria poupar trabalhos...

olha, fiquei sem net de repente disse...

Isso seria poupar os trabalhos à conta dos

gaija do norte disse...

vasos grandes??? ó gaijos aí de cima, no meu terraço jamé!!!

chefa, a ideia do funil é brilhante! não percebo porque tens que os humilhar com a mangueira de meia polega...

também tu Brutus? disse...

Dos quê?
Deves achar muito sexy, como diz a Gabs, a gaija sentar-se e ficar com a perninha molhada dos pingos que o gaijo deixou na tampa.
A algália parece-me até menos intrusiva que um nó na ponta da dita, que é o que nessas circunstâncias me apetece fazer.

teresa disse...

(gaija, eles nem contestaram isso, reparaste?)

a césar o que é de césar! disse...

Alto lá, que eu levanto a tampa, sacudo com todo o jeitinho (é um órgão sensível e delicado) e esforço-me tanto para nunca falhar o alvo que até me inclino em ângulos impossíveis quando ele insiste em apontar para cima!

shark disse...

Não foi não contestar, foi a pessoa fingir que nem repara...
É que nessas coisas cada um/a fala de si.
:)

teresa disse...

Tubarão, não me digas que sabes fazr o pino.
(pelos vistos só queres aprender a andar de patins, mas isso eu ensino que sou amiga...)

em frente é que é o caminho! disse...

O pino? Mas tu achas que o meu aponta para o umbigo? Lá tás tu a exagerar nas expectativas...

escarlate.due disse...

vinha só comentar o post abaixo mas, Shark, há quem tenha encontrado a solução no dia em que, a acrescentar a isso tudo, ainda tinha de se haver com o balanço do barco: arranjou um tubo que vai direitinho do "aparelho" ao orificio! experimenta lol
(sim, a mãe tem fama de doida, portanto não admira que o gene tenha atingido o descendente)

calamity jane disse...

Há no meio (salvo seja) de tudo isto um problema que me preocupa sobremaneira: porque é que os últimos parágrafos das tuas postas aparecem sempre com uma fonte diferente???

escarlate.due disse...

falta de comida Calamity

Anônimo disse...

em relação à fase líquida concordo plenamente, já em relação á fase sólida lembro-me dos meus temores nos países islâmicos de me desconcentrar e cair por ali abaixo,

calamity jane disse...

Achas, Escarlate? Não sei, acho que estás a projectar... Não te dão de comer lá no tasco onde bules? Isso é exploração da classe operária!

calamity jane disse...

Olha, passa lá em casa, há couscous com legumes e 'moose' de chocolate prá sobremesa

teresa disse...

Também posso ir Calamity?
(se bem que falar em mousse de chocolate num post destes pode parecer um eufemismo qualquer...)

calamity jane disse...

e se lá fores, vais ver que não sendo eufemismo, não deixa de ser uma figura de estilo (ainda estou a ver se me lembro qual...)

calamity jane disse...

E és muito bem vinda ao tasco, melher

teresa disse...

Olha que já lhe conheço os cantos...

calamity jane disse...

Oube lá, podes beber um copo. É de graça!

gaija do norte disse...

masquestamerda?
já vão nos copos? é só para a chefa? não sou ninguém nas vossas vidas, não???

shark disse...

Bem, eu de copos também gosto...

gaija do norte disse...

lá teremos que ir os dois para a casa do douro, tubarão! já abandonaram o tasco...

shark disse...

Já estou a dobrar o pijama e a engraxar os sapatos.

gaija do norte disse...

pijama? vai para os copos de pijama???

shark disse...

Nada disso, é para não deixar estas coisas por fazer. Não é já amanhã ou assim?

teresa disse...

Psst, ó do Pijama, guarda lá os chinelos que há gente de bem por aqui.

Gaija, tu também és daquelas do só um passo e pronto? A fazeres-te assim ao tubarão... Ai, ai...

calamity jane disse...

Ora, meninos, há sempre um copito para vós no tasco da Calamity. E contratei um eminente cozinheiro (sueco) para confeccionar umas deliciosas iguarias...

gaija do norte disse...

a fazer-me aos copos...

(imbejosa...)

gaija do norte disse...

o sueco assustou-me, cj. é o dos marretas?

AnaT disse...

Com tantos copos depois digam que ficam todos aflitinhos... e lá volta a conversa ao tema inicial...:o)

calamity jane disse...

É pois, gaija. A malta convida, tu não apareces...

Gabs disse...

Eu aparecia, desde que não tenhas dessas sanitas da foto, essas a nós é que não dão jeito nenhum.

calamity jane disse...

Gabs, as (felizmente poucas) vezes em que tive de usar uma sanita dessas (designadas turcas, se não me engano), fiquei tão traumatizada que espero nunca mais vir a cruzar-me com uma!
A minha sanita é a tua sanita. Podes... enfim, usá-la à vontade. É só uma por isso não fiques por lá a ler, ok?

gaija do norte disse...

nunca viste uma sanita turca, cj. são um ragalo de tecnologia! por cá chamamos a estas caçadeiras, ou à caçador, não me lembro, mas é qualquer coisa assim...

(porque temos que ter esta conversa???)

calamity jane disse...

Gaija, agora sou eu: obrigada!!! Eu precisava desta gargalhada.

teresa disse...

Porque esta conversa ainda é umas das mais limpinhas que se pode ter.
Tenho estado a ler jornais e a ver as notícias...

gaija do norte disse...

eu também... tal e qual!