Andam armados em Tom Sawyer.

A Enoteca Douro propõe aos turistas agarrar nas varas e nos baldes para apanhar azeitona em Favaios, concelho de Alijó, num programa que custa 55 euros e que se realizará todos os sábados até 25 de Janeiro.
E o primeiro grupo, composto por 20 pessoas, a agarrar esta oportunidade de «trabalhar» no Douro chegou no sábado de Vila Nova de Gaia. António Monteiro é gerente de uma empresa que faz software informático para a olivicultura e resolveu realizar a festa de Natal no Douro.
Com ele vieram funcionários e familiares que não tiveram medo de encarar o frio transmontano para apanhar azeitona, a maior parte deles pela primeira vez. «Pensei que fosse mais fácil e que a azeitona estivesse mais solta. É preciso bater com força e ter jeito», salientou Jorge Castro, depois de ter agarrado numa longa vara e ter batido algumas vezes com ela nos ramos da oliveira para a azeitona cair.
Silvina Noronha considerou que o trabalho de se agachar para apanhar a azeitona caída na terra fria é um trabalho «muito mais duro» do que estar sentada num escritório.

Definitivamente os hábitos de leitura dos portugueses deixam muito a desejar. Se conhecessem os clássicos saberiam que este tipo de actividades lúdicas foi criada por um dos maiores génios de todos os tempos, um miúdo chamado Tom Sawyer, ele próprio criado por outro génio, Mark Twain.
Posto de castigo pela Tia Polly (acho que é este o nome da hárpia) e obrigado a pintar o muro da casa, na manhã de um sábado de Verão, quando todos os amigo passavam para nadar no rio, Tom Sawyer responde às provocações afivelando uma máscara de enorme divertimento. A história acaba com o muro pintado em menos de um ai, com várias demãos, por um verdadeiro exército de miúdos, a quem poderiamos chamar "toscos", que faziam fila para oferecerem a Tom os seus melhores tesouros e comprarem assim a possibilidade de se divertirem também com uma trincha e uma lata de tinta.

Acho que já o disse por aqui, mas há muito que as carpetes cá de casa são lavadas assim. Se as miúdas e os amigos cogumelos, que aparecem por todo o lado, pedirem com muito muito jeito e se prometerem que fazem todas as minhas vontades, deixo-os passar uma tarde no meio da relva com mangueiras, escovas e um frasco de karpex a estrear. Acreditem que ficam mesmo agradecidos. E as carpetes lavadas!

2 comentários:

Mãe da malta disse...

ahahhahahah

e deve ser divertidissimo, no Verão, claro

teresa disse...

No Inverno ainda é melhor que o fruto proibido é o mais apetecido...