"espectáculo deprimente"

Só deprimente? Eu arranjaria mais uns tantos adjectivos, mas não me estaria a referir à mesma coisa, de certeza...
Pavilhão Atlântico cheio de crianças a chorar com anulação do concerto da banda alemã Tokio Hotel.
O cancelamento do concerto de estreia da banda alemã Tokio Hotel, no Pavilhão Atlântico, transformou-se num "espectáculo deprimente" com milhares de crianças a chorar e adolescentes a desmaiar em pleno recinto.
Eram cerca das 20:00 quando chegou a notícia que chocou os milhares de fãs: o espectáculo tinha sido cancelado porque o vocalista Bill Kaulitz tinha uma amigdalite. Segundo relatos de pessoas presentes no Pavilhão Atlântico feitos à Lusa, quando a anulação foi conhecida, imensas miúdas desmaiaram e a maioria das crianças desatou a chorar.
"Na esperança de conseguirem um lugar na fila da frente", muitos já estavam no recinto do Parque Expo há dois dias "a aguardar a abertura das portas", referia um comunicado da empresa responsável pelo evento, a Everything is New.
"Eu sou mãe e estou indignada. Isto é um espectáculo deprimente que deixa qualquer mãe em choque. As crianças estão apavoradas, a chorar baba e ranho", criticou uma mãe que decidiu levar o filho de 14 anos ao concerto. Fernanda Celeste, mãe de Ana Sofia, 14 anos, e Helena Isabel, 10 anos, que veio do Porto no sábado para "estar bem cedo" no Parque Expo corrobora, indignada, a informação prestada pela Everything is New. "Comprei os bilhetes há quatro meses e quando aqui chegámos ouvi dizer que havia miúdos que estavam a dormir aqui desde quinta-feira. Isto é inaceitável", criticou Fernanda Celeste, lembrando que "deixaram os miúdos entrar. Estiveram lá imenso tempo aos pulos e depois anunciaram que não havia espectáculo. Havia miúdos que se atiraram para o chão a chorar". As filhas de Fernanda Celeste também choraram "de tristeza", mas ficaram mais calmas quando a mãe lhes prometeu que voltariam ao Pavilhão Atlântico no fim de Junho para ver a banda alemã.
Ex.ma Senhora Dona Mãe de Uma Criança Apavorada,

Tenha juízo!
Indignada? Em choque?
Get a life e, por favor, tente ensinar qualquer coisinha decente ao tal filho apavorado, que pode ser que ainda vá a tempo.
A Senhora Dona Fernanda Celeste e mais alguns ilustres desconhecidos podem fazer-lhe companhia.

7 comentários:

Ângela disse...

Lindo espectáculo o destas jovens...
Já tinha lido um artigo na "Sábado" que me deixara com os cabelos em pé e agora, com este fantástico final apoteótico, começo a pensar seriamente para onde iremos...
Os pais das criancinhas não estarão minimamente preocupados com a histeria delas? Não há nada mais importante para fazer? Em que pensar? Como é possível haver adolescentes que "montaram a barraca" em frente ao pavilhão Atlântico desde quinta-feira??? E as aulas?????
Depois queixem-se...

PS (não confundir...): não creio que este seja um episódio similar ao que sucedia com o Beatles e com o Elvis. No entanto, é possível que haja muita gente a desculpar e minimizar o caso por comparação com os exemplos que dei.

catia disse...

Vim aqui parar através da ângela que me recomendou este blog para ler a tua perspectiva sobre a parvoeira do cancelamento do concerto dos Tokyo Hotel.
Começo a achar que já faltam argumentos e palavras para justificar tanto espalhafato. Tudo aquilo foi uma tremenda tragédia grega: desde as criancinhas desesperadas, a chorar e a desmaiar e a dizer que o que interessa nisto tudo é a saúde do bimbo do vocalista; até aos pais que são ainda mais parvos que os filhos que mostravam a sua cólera e ira por tamanho desrepeito por aqueles que se deslocaram até tão longe (como se o Pavilhão Atlântico fosse na China) e parece que nunca ouviram dizer que quem corre por gosto não cansa. Portanto, se gostam assim tanto daqueles morcões, têm mais é que acatar o cancelamento, sem histerias, e voltarem lá dia 29 de Junho e é se querem!

mifá disse...

" miúdos que estavam a dormir aqui desde quinta-feira. Isto é inaceitável"

Também acho que é inaceitável e acho que o que acho não tem nada a ver com o que a D. Fernanda Celeste acha.
Que eu, em se tratando de criança minha, tinha mais era vergonha de lhe pôr tanto à vista a moleirinha!

teresa disse...

E eu acho que tenho sorte. Perguntei à minha filha quem eram eles e tive o retrato completo.Ainda não sabia que o concerto tinha sido cancelado, mas fartou-se de rir. Pelo que diz é das poucas, na escola, que não suporta a música dos tais Tokio. Tem até uma explicação interessante. Diz que deve ser o vídeo deles, que ela nunca quis ver, que é hipnótico, que a música é péssima, mas os amigos que viram o vídeo "ficaram apanhadinhos de todo"...

Quando escrevi o post também me lembrei dos Beatles e do Elvis, mas tenho a ligeira impressão que, nos concertos deles, não estávamos a falar de "crianças em choque" e mães indignadas...
confesso que tudo isto é demasiado estranho para mim, que nem sou muito radical com as minhas filhas, mas dois dias a dormirem à porta do Pavilhão Atlântico? Com doze e treze anos? Mãezinhas que acham normal as crianças estarem em "choque" porque uma banda cancelou um concerto?
Quem é que vai ensinar aqueles miúdos que a vida lhes vai trazer mais choques que a porcaria de uma amigdalite na garganta de um ídolo qualquer? Quem os ensina a dar importância ao que é importante e a deixarem de se perder com insignificâncias? Como vão aprender a lidar com as verdadeiras adversidades e contrariedades se não conseguem lidar com o cancelamento de um concerto?

Bem, acho que no meio disto tudo ainda foi uma sorte uma das mãezinhas não ter dito que a culpa foi do governo, ou da polícia, ou do árbitro, ou do padre, ou dos juizes, ou de alguém, que o que é preciso é arranjar-se alguém em cima de quem se possa descarregar todas as nossas frustrações...

cristina rocha disse...

Pessoalmente até conheço uma ou outra música da referida banda e não acho que seja assim nada de muito especial. E sinceramente já me aconteceu ir a concertos que foram cancelados: foi um transtorno mas dado que o bilhete continuou válido para nova data, paciência, são coisas que acontecem.

E dadas as últimas notícias no nosso governo para a proibição de piercings e tatuagens, pergunto-me desde quando é que é legal deixar menores, enfim crianças porque é mesmo disso que se trata, a dormir na rua durante dias? Não será isso um caso de serviço social? (pronto posso estar a exagerar, mas é mesmo para isso tal a minha indignação). Numa altura em que cada vez mais se fala em desaparecimentos de crianças nas suas próprias casas, que pais são estes que permitem esta situação?

Estamos a falar de idades entre 10 a 14 anos - crianças, podem parecer adultos, podem cada vez mais estarem a ser forçados a comportarem-se como adultos, mas não passam disso mesmo: CRIANÇAS.

beijos

Emiele disse...

Olá Teresa!
Estou tão de acordo contigo que tinha escrito um post sobre isto, imagina!!!! Depois "ataquei" outros assuntos e ele ficou pendurado. Acontece-me muito, ou sai logo, ou...
E agora acho que o vou modificar e fazer o link para aqui, que me poupa trabalho.
Quer dizer, lá poupar não poupa porque já o tinha escrito mas o link fica giro e dá mais cor ao post!
:D

catarina campos disse...

Tem piada. Eu li essa parte de forma completamente diferente. Que essa mãe teria achado deprimente e ficado indignada por deixarem os miúdos estar por lá à espera e por desatarem a desmaiar.
De resto acho que a culpa é dos paizinhos. Ao menos que os miúdos desmaiassem por ser cancelada uma Missa de Bach ou assim. :D