Ah, sim, também está bem...

Hoje ao jantar, com vários miúdos à volta da mesa, falava-se, porque tinha de ser, na professora e no telemóvel e na aluna.
Todos tinham visto o vídeo, todos tinham alguma coisa a dizer, mas a história do Tiago calou-nos fundo. O Tiago tem 19 anos, é bom miúdo, muito bom miúdo, e consegue ser assumidamente "metálico" e assumidamente acólito, ajudando à missa todos os domingos de manhã.
Também tinha uma história de telemóveis, lá da escola por onde andou.

- Na minha turma eram todos malucos e faziam com cada cena. Um setôre uma vez também tirou um telefone, mas o meu colega levantou-se e encostou-lhe uma borboleta à barriga.
- Uma borboleta?
- Sim, uma faca borboleta, daquelas que se abrem assim...
- Ah!
- Por acaso ele também se chama Tiago. Olha, vai agora sair da cadeia, esteve preso dois anos mas não foi por isso, que o setôre deu-lhe logo o telefone...
- Ah!...

Já agora, desculpa, podes passar-me a cestinha do pão? E por acaso não haverá por aí ninguém que me ateste o copo? Sim, podes encher e abram mais umas garrafas. Não sei porquê, mas acho que fiquei com uma sede de anteontem. Preciso de álcool...

5 comentários:

osátiro disse...

Creio que só não acerto no Euromilhões!!!
Vir aqui a esta hora, quando precisas de álcool, e eu acabei de escrever um post sobre isso...

Quanto ao sério, é o retrato degradante do nosso ensino e da nossa sociedade.
Como é difícil ser "stôre" e pai(s).

osátiro disse...

Creio que só não acerto no Euromilhões!!!
Vir aqui a esta hora, quando precisas de álcool, e eu acabei de escrever um post sobre isso...

Quanto ao sério, é o retrato degradante do nosso ensino e da nossa sociedade.
Como é difícil ser "stôre" e pai(s).

Emiele disse...

Eu já estou enjoada de ouvir falar na história (por acaso como estava de férias quando esse caso 'rebentou' nunca falei nele) e tenho ouvido barbaridades de vários quadrantes. Sempre achei que aquilo foi a pontinha visível do iceberg, que infelizmente não era um caso isolado, e em muitas e muitas escolas se devem assistir a cenas muito semelhantes. Aliás no mesmo liceu há pouco tempo também uma aluna tinha puxado os cabelos a uma professora num corredor no decorrer de uma discussão.
Mas a verdade é que eu que tenho a mania de que quero entender tudo, há certas coisas que não consigo mesmo entender... Como foi possível deixar-se andar estes comportamentos, sem os travar a tempo, é uma coisa inexplicável. O enlevo que os adultos têm pelas crianças em muitos casos faz que não lhes consigam incutir regras das mais básicas. Já vi meninos de infantários ferrarem grandes estaladões às mães, que dizem "ai!" e depois sorriem...

Anônimo disse...

Uma das explicações está na geração «Morangos» que eles dizem ser de açúcar mas para mim é veneno. Na TV acontece tudo e ninguém responde por nada, eles não percebem a diferença entre a TV e a vida real.
JCFrancisco

teresa disse...

Recusei-me a comentar a história do vídeo, porque achei que não queria contribuir para a histeria colectiva, mas esta histórinha era demasiado saborosa...
Quanto ao vídeo o melhor artigo que li está no cinco dias (www.5dias.net)assinado pela Fernanda Cãncio.