"O diz que disse continua"

Ali ao lado há uma nova caixa. Chama-se "O diz que disse continua".
Não gosto de coisas muito complicadas e como há aí para baixo uns posts onde a "troca de impressões" ainda não acabou, achei que era mais fácil lá chegar assim...
Com o KO final darão, ou não, lugar a outros.

Mifá e Shark, é desta que vos respondo...

10 comentários:

shark disse...

Ainda este mês? :-)

teresa disse...

não passa d'hoje...

mifá disse...

Ernesta,
por mim não se mace.
Diz não gostar de complicações. Nem eu. Nem de complicações, nem de indirectas.
Obrigada pela hospitalidade. Foi boa. Mas foi.

P.S.: dirijo-me à Ernesta pois foi com essa entidade que a mifá falou e porque a actividade da escrita reconhece o direito de manter intacta a identidade da vida real, por detrás da ficcionalidade do "eu" que escreve. Receio que nem sempre isso tenha sido entendido. O próprio hibridismo do género de textos que nos blogues se publica ( nem literário, nem jornalístico, nem biográfico...) propiciam essa confusão entre uma entidade real e uma entidade ficcional. E a Teresa sabe-o por isso escolheu falar como Ernesta.
Acerca do post " Todos somos animais", a cidadã que está por detrás da máscara da mifá, resume a sua opinião:
chega a ser obscena a complacência que a justiça usa para com os grandes criminosos, enquanto os pequenos infractores são esmagados por uma pata pesada e intolerante.
Aliás, esta parece-me ser a opinião generalizada no país. E, a meu ver, com toda a legitimidade.

xhintome chéptico disse...

D'hoje? Penxava que era a doje e quinhentoszzzz...

shark disse...

Eh lá! A Mifá endureceu um nadinha o discurso enquanto eu tava entretido na paródia...
Escapou-me algum tópico entretanto?

mifá disse...

Olá, Shark,
não escapou.
Só que eu tenho uma noção de escrever talvez profissionalmente (de)formada que eu tentei traduzir anteriormente. Assim, permito-me
dissociar o eu que escreve do eu real: posso, até, defender
duas teses totalmente opostas, travestir-me, etc. O que nem é nada de novo: no fundo, é a base da pseudonímia e da heteronímia.
No entanto, há uma coisa que não suporto: o anonimato que manda bocas como se toda a gente fosse parva e ele, anonimato, tivesse registado a patente da inteligência. Se ler comentários anteriores, perceberá ao que me refiro.
Por outro lado, e porque me considero uma pessoa educada, não posso conformar-me com ser motivo de mal-estar em casa alheia.
Acontece, portanto, que descobri que sou um elemento vulnerável neste tipo de " literatura" bloguista. Confesso-lhe que também não sei bem por que mares navego: visitar blogues é, para mim, uma experiência recente e muito verde.
Daí que o defeito possa ser meu.
O que é certo é que não tenho pachorra para engolir sapos, nem a meu sentido de educação me permite fazer escarcéu.
Parabéns pelo seu blogue, Shark que, de vez em quando, espreito com um certo receio que me impede de entrar. Não é que me considere tímida mas há coisas que nos ficam para sempre. E, muitas vezes, ouvi dizer que " mais vale ser desejada que aborrecida".
Gostei de falar consigo.

teresa disse...

mifá, desculpe mas também devo ter perdido qualquer coisa. ainda bem que não consegui responder ao post ainda, porque vou ter de ler com todo o cuidado.
"não gosto de complicações" = não gosto de andar para aqui com o rato para cima e para baixo à procura do post a que me falta responder...
anonimato - posso ter qualquer nome que continuo desconhecida para quem não me conhece
resposta tardia - percebo que já devia ter respondido, mas percebam também que nada me obriga, pelo facto de ter uma caixa de comentários aberta, a responder. Faço-o com todo o gosto, mas neste caso, dos animais, é a minha profissão, o que faço durante todo o dia e, por preguiça sim, tem-me custado um pouco vir "aqui" continuar o raciocínio que parei "ali". Sim, fui eu que trouxe o assunto à baila, mas não acho que tenha falhado no que quer que seja, que não assumi nenhum compromisso com ninguém.
E foi por a "discussão" me estar a dar prazer e ser séria que a destaquei ao lado, para poder ser continuada com todo o tempo do mundo...
E agora Mifá, diga-me porque está tão ofendida que eu não percebi. E espero que não abandone o barco, que os seus argumentos dão-me que pensar, o que é sempre uma mais valia.

teresa disse...

faltou-me um pequeno pormenor - não sou de indirectas, o que tenho que ou me apetece dizer sai e é de rajada.
tenho variadíssimas respostas a comentários que são um pouco indelicadas, mas não sou de modas e se não gosto salto. Cabra de serviço por alguma razão!

Emiele disse...

Que esquisito, interpretei este post exactamente ao contrário da Mifá.
Pensei que a Ernesta/Teresa tinha querido «puxar cá para cima» uma troca de opiniões que podiam correr o risco de se diluir lá nas catacumbas - que ela tal como eu escreve imenso!
Eu no meu blog tive esse problema e por isso mesmo tenho uma «categoria» (não é assim que se chama mas não sei dizer de outra maneira) do "últimos comentários" e assim mesmo que apareça um num post de há 2 meses (já tem acontecido!) dou logo conta disso e tento responder.
De resto se estes posts foram polémicos é uma prova de vitalidade. Uma das coisas que temo no Pópulo é que há muitas vezes um excesso de concordância com o que digo.

teresa disse...

pois, eu também achei que estava a fazer bem, mas nunca se sabe. mas olha afinal a polémica até não é má,

como instalaste isso dos comentários? já tinha reparado e é bastante útil, que por vezes perco-me por aqui..