SUMMERTIME

Apenas uma brisa corre por aqui.

Uma daquelas brisas mornas e agradáveis que nos acaricia e arrepia a pele. Não se vêem movimentos bruscos e até os pássaros pararam de cantar, não por frio ou medo, mas sim para aproveitar a tarde para se refugiarem nos seus ninhos passarando.

O calor convida à preguiça e os ponteiros do relógio arrastam-se vagarosamente. O mundo parece estático. Parado sob o sol quente.

Quando a brisa passa, também ela muito lentamente, respira-se um pouco mais fundo e aproveitamos para nos espreguiçar.

À medida que a tarde avança, começa-se a adivinhar a agitação da noite. Porque será que tardes quentes geram sempre noites inquietas?

Ao fim da tarde, ao passar-se pelas ruas, sente-se o cheiro, primeiro ténue depois mais intenso, da comida. O cheiro característico dos grelhados. Quando atravessamos os becos, o calor da atmosfera misturado com o calor das brasas dos grelhadores cola-se à nossa pele.

Quando a noite cai, acobertando, com o seu manto, segredos e amantes, as pessoas saem à rua em busca de ar fresco ou de aquecimento para a alma.

Ouvem-se risos nas ruas e crianças a jogar à bola, aproveitando as férias e o calor para se divertirem e terem a liberdade que não têm no resto do ano.

Vêem-se mulheres bonitas e de tez bronzeada em busca de divertimento. Vêem-se casais de namorados a passear junto à praia. Vêem-se amantes na praia.

Os bares e esplanadas estão cheios. Novos, velhos, ricos, pobres… No Verão toda a gente sai à rua. Nas noites quentes de Verão toda a gente quer viver. Toda a gente quer amar e ser amado, nem que depois se enterre o amor na areia.

Terminada a noite, aos primeiros raios da aurora, as pessoas desaparecem das ruas e refugiam-se nos braços de Morfeu, ou noutros quaisquer, e esquecem o mundo. O ciclo recomeçará dentro de algumas horas…

Quando passar uma brisa por aqui.

18 comentários:

gaija do norte disse...

eu??? nos braços de morfeu??? arranja-me chatices que eu digo-te!

Mente Quase Perigosa disse...

Quem diz tu, diz outra qualquer. Eu nem estava a usar os óculos... Posso ter visto mal...

:p

Wolve disse...

agora é que começo a perceber o porque do nome "mente quase perigosa"...

Mente Quase Perigosa disse...

Só 'quase', Wolve. Só 'quase'...

Mente Quase Perigosa disse...

(e vou considerar isso um elogio...)

Wolve disse...

que mais poderia ser, depois de um texto destes?
e é no "quase" que reside todo o interesse; como dizia aristoteles acerca da metáfora: algures entre o intangível e a banalidade.

tereza disse...

Aristóteles? Quem é esse? Também tem um blog?

Mente Quase Perigosa disse...

Obrigada, Wolve. Mas há uma coisa que não entendo... Porquê a conclusão sobre a minha quase periculosidade neste post em concreto?

Mente Quase Perigosa disse...

Oh Chefa, vais deixar o sinhor mal impressionado!!!

Toda a gente sabe qual é o link do blog do gaijo!!!!

Wolve disse...

nah, ele é da concorrencia, escreve no sapo. não gosto.

por nada em especial, foram so dois posts seguidinhos, os dois ali na corda bamba. Um mais na bamba que o outro, confesso.

(calhou dizer neste post, ate pk eu raramente comento, embora acompanhe desde o tempo dos posts das gémeas...)

Mente Quase Perigosa disse...

Ah mais um fã das gémeas...

(e eu a pensar que ele era meu fã...)

Wolve disse...

adoro os filmes da Disney, e os documentários do Custeau...

Chega?

Mente Quase Perigosa disse...

Digamos que vais no bom caminho...

(mas a referência às gémeas suecas, essa ninguém ta tira!)

;o)

Wolve disse...

Inocente! eu juro que nem me lembrava que eram suecas...

Mente Quase Perigosa disse...

As gémeas do Santo são sempre suecas!

Ou norueguesas... ou islandesas... ou finlandesas...

São altas e loiras, pronto!

Wolve disse...

mui bom gosto...

Mente Quase Perigosa disse...

O nosso Santinho é mocinho com muito bom gosto. Confia em mim!

tereza disse...

(Quase perigosa... quase...)