Aquela coisa do Frei Tomás

Não tivessemos nós tanto golpe de rins e teríamos sido encostadas às tábuas. Quando a conversa começou percebeu-se logo que aqueles dois já tinham debatido o assunto o suficiente para terem acertado convenientemente as agulhas.


Os tipos encaixaram bem desde o princípio e formaram a dupla do fim de semana. Está bem que o Calamitoso mais velho é giro, tem uns olhos fabulosos, é meiguinho, é da idade da Xica e a Xica, sendo minha filha, não é burra nem distraída nestas coisas, mas também não era preciso terem-se colado um ao outro e, menos ainda, afinarem tão bem os diálogos.

- Já viram como estes encontros podem ser perigosos para nós? É que fartam-se de nos avisar para termos cuidado com as pessoas que conhecemos na net mas o que vocês nos estão a mostrar é que as pessoas que se conhecem na net são fantásticas. Todas as que encontrámos nestes dias eram assim e vocês são amigas e tudo.

Eu e a Peixa, deitadas nas nossas toalhas na praia, a trocar mais umas interessantes opiniões sobre o Tiago (ainda vamos ter de vos apresentar o Tiago...) fomos obrigadas, com este comentário, a entrar em alerta vermelho e a começar a racíocinar rapidamente.
Sacanas dos putos. Apanharam-nos na curva e íamos ter de descalçar a bota depressa e inteligentemente, que menos do que isso eles não deixariam passar.
E o debate começou.
Atirámos com todos os trunfos logo de princípio para tentarmos controlar de imediato o jogo e evitarmos que começassem a fazer vasas. Experiência, idade, idade, experiência, muitas horas de net, capacidade para ver para além do que é para ser visto.
O factor sorte não veio à baila porque há que convir que nisto não há sorte, há mesmo só muita sabedoria e jeito para o jogo.

Acho que eles perceberam, mas eu também percebi que as questões deles são perfeitamente legítimas. Farto-me de ensinar às miúdas que a net é perigosa e que não se devem expôr e depois todas as pessoas que lhes atiro para o prato, e que conheci na net, são realmente pessoas excepcionais. E elas topam isso tão bem como eu. E estou a falar da Gaija, do Santo, do Shark, da Peixa, da Sem Se Ver, da CJ, e agora também do Cy e da Elle. E os miúdos vêem-nos abrir as portas das vidas, e das casas, e dos corações, as estas gentes a quem chamamos nomes estranhos e a quem quase nunca tratamos por um decente nome de baptismo e as perguntas disparam, como dispararam naquela tarde.

Mas no meio de explicações mais coxas que eu, e de muitas contradições, exames de consciência, ponderações e justificações lembrei-me da Clara e de uma das frases da Clara:
- Tu és a mãe. Tu consegues.

Nem mais.
Eu sou a mãe. Eu consigo.
E, para já, é só isso que eles têm de perceber. Nós somos as mães. Ou os pais. E nós conseguimos o que eles não conseguem.
Ponto.
Final.
Parágrafo.
Eles, podem ter a certeza, agradecem-nos por essa segurança. E fazem o que lhes dizemos para fazer mesmo que, numa tarde de Sol, nos tentem apanhar na tal curva apertada depois de nos verem em territórios que, para eles, estão absolutamente proibidos.

Desde que tudo corra bem. Porque com eles, como sabem, só se falha uma vez.

24 comentários:

O Santo disse...

e no resto do mundo?

igual nao?

tereza disse...

Não é bem assim, Santo. Neste mundo, para eles, as regras são muito mais apertadas. No resto do mundo escolhemos nós os espaços onde se movimentam, neste apesar de tudo, ficam mais à solta e os limites impostos são muito maiores. Na escola não estão proibidas de dar o número de telefone a um colega de turma. No msn não podem dar e pronto.

Anônimo disse...

Lembro-me perfeitamente da minha mãe me proibir de fumar: eu fumo porque ganho dinheiro para fumar e tu?

Tina

calamity jane disse...

Eh pá, ainda bem que vocês estavam atentas. Eu cá ainda estou para ver como vou responder quando do infantário da Mini me começarem a perguntar se ela tem amigos imaginários e por que raios quer ir para o Algarve já já a seguir...

tereza disse...

Epá, mostras os boxers caralinos e explicas que de imaginário os amigos não têm nada...

tereza disse...

É isso, Tina, há coisas que eles têm de perceber que não fazem e nós fazemos. E pronto.

calamity jane disse...

Os boxer ficaram na tulha da Peixa...

Hás de convir que se fosses educadora e de repente te aparecesse uma criancinha a falar insistentemente de uma tal Chefa e de uma tal Peixa ias achar estranho... a não ser que elas sejam nossas leitoras, claro, e nesse caso, talvez eu ainda venha a ser rica!!!

calamity jane disse...

(elas, as educadoras)

tereza disse...

Tem calma que quando ela começar a falar de um tal Santo aí, sim, vais ter problemas a sério...

Mente Quase Perigosa disse...

Apre, mas ficou tudo na minha tulha???

O que é que os nossos comentadores vão pensar de mim?

Não respondam!!!!

E além disso, apanham-me em Tiago Mode e desatam a postar, né???

Vou-me actualizar...

calamity jane disse...

A postar?
A postar???
Quem é que postou?
Onde está a posta?

tereza disse...

Acho que vou aquecer caldo verde. Peixa, tens ainda broa? CJ, queres?

Mente Quase Perigosa disse...

Tenho broa e chouriço

calamity jane disse...

Por acaso até marchava, Chefa. Isto aqui está uma miséria... Só de pensar no que deixei no teu congelador... (eh pá, mas espera aí: o meu congelador tb tem disso!!!)

tereza disse...

Tás a ver o Purgatório? A que chegar primeiro espera pela outra.

Mente Quase Perigosa disse...

Oh pá, ainda tenho esse post para fazer...

calamity jane disse...

(tanto postinho que ficou por fazer...)

tereza disse...

Deixaste CJ, deixaste... Mas também deixaste a Peixa, o Peixinho e a Cabra Júnior...

Mente Quase Perigosa disse...

E que bem que soube a quem ficou...

calamity jane disse...

Duas cabras júniores, não Chefa?
E vocêses? Não gramam do carte d'or?
Ou ficaram-se pelos salgados? (não a praia finérrima dos tubarões que não são sharks)

tereza disse...

Eu só o vi a passar-me pela frente...

gaija do norte disse...

chefa, eu gosto de dizer que a democracia existe onde eu mando... sim, continuo a ser uma gaija simples e por vezes até rural, é verdade?

(agora aqui para nós, já vos disse que cada vez gosto mais de toblerone negro? )

calamity jane disse...

(chocolate preto é daquelas coisas que marcha sempre, gaija)

Cristina disse...

O problema é que os putos aprendem com o exemplo... LOL É uma treta!

Cristina