Dez semanas, só para arredondar a coisa

Todos nós queremos mãos frágeis e finas a puxarem-nos para si. Não aquele toque suave e carinhoso, mas os dedos ansiosos que nos pedem "entra em mim".


Queremos uma mulher que se deixe de merdas e se entregue à confiança no nosso desempenho com o fervor de uma fé, capaz de não esconder que está a gostar e ainda mais capaz de fomentar algumas etapas por sua iniciativa.

Queremos uma mulher que goste imenso do que lhes estamos e fazer e retribua, generosa, com a satisfação estampada no rosto de quem nunca faz frete algum.

Há dias, todos, em que exigimos à vida uma mulher assim.

E eu tenho a sorte de possuí-la.

13 comentários:

Mente Quase Perigosa disse...

Este blog devia ser obrigatório na escola de tão educativo que é!!!

tereza disse...

Se fosses mesmo minha amiga contavas-me o que tinhas aprendido aqui.

tereza disse...

Tubarão, bons olhos te leiam. que saudades tuas, gaijo!

shark disse...

É mesmo, Peixa. E reconhecido pelo Ministério da Educação!

shark disse...

A sério, Chefa? Saudades minhas? Fico muito sensibilizado, mesmo.

Mente Quase Perigosa disse...

Olha, Chefa, aprendi o que é uma profissão de fé no 2ª parágrafo, por exemplo.

Mente Quase Perigosa disse...

E deixa-me que te diga uma coisa, Bruce: tiro-te o chapéu!

shark disse...

E porque tiras tu o chapéu, Peixita?

gaija do norte disse...

sorte, sorte, é encontrar gaijo para uma gaija assim!!!

Mente Quase Perigosa disse...

Tiro-te o chapéu que foste o único gaijo a comentar aquele post.

bruce wayne disse...

Comentei e até retorqui com a versão masculina da coisa, Peixa.
Mas estou certo que os meus parceiros estão apenas distraídos e nunca, de todo, intimidados com tamanha responsabilidade (dado o calibre do post e assim, coloquemos a coisa nesse prisma).

shark disse...

O destino é muito generoso quando quer, Gaija.

Mente Quase Perigosa disse...

Eu nem me estava a referir aos colegas de blog que dessa toca...(um é Santo e o outro tem Jetlag!)

Estava a referir-me ao género masculino em geral mesmo!