Perguntar não ofende

Cada pessoa possui mecanismos de desejo e critérios de avaliação distintos, possui uma percepção muito sua do que um parceiro sexual representa. Para além disso, existem as emoções e o seu peso indesmentível na forma como sentimos o outro.
E ainda entram a jogo os impulsos do momento, as conjunturas (a ocasião faz o ladrão...) que nos levam a literalmente abraçar determinada pessoa sem termos sequer uma definição clara daquilo que a faz.
Ou seja, acaba por ser quase impossível obter um consenso na hora de explicar o que nos move, o que nos empurra para esta ou aquela pessoa que (tantas vezes...) nem possui o perfil que encaixa no padrão que entendemos ideal.

Contudo, deixo o estudo do sexo dos anjos para outra oportunidade.
O intróito serviu apenas para vos ilustrar a multiplicidade de variáveis que nos influenciam na selecção dos parceiros e que em boa medida impossibilitam qualquer tipo de conclusão universal, até porque em matéria de sexo somos todos algo imprevisíveis quando confrontados com a conjugação “perfeita” das situações e das emoções que por vezes nos cegam.
Essa visão toldada que por vezes nos encaminha (prá caminha) rumo a alguém que nem seria a nossa primeira opção não parece, no entanto, diminuir a nossa capacidade de avaliação daquilo que experimentamos com outras pessoas e, acima de tudo, daquilo de que gostamos e temos por certo como a nossa preferência. Conseguimos sempre formular uma opinião acerca do que vivemos com alguém na cama e acabamos por fazê-lo à luz da tal noção que é só nossa do que tomamos por melhor para nós.

E agora, para acabar com a conversa de treta e porque o que eu queria mesmo saber era isto, coloco-vos a questão:

o que distingue afinal uma boa cama? (E não me venham com as madeiras em mogno e os colchões ortopédicos...)

64 comentários:

Mente Quase Perigosa disse...

Eu vou responder, juro que vou, mas antes tenho que te dizer (óh Gaiiiiiija fecha os olhos!) que estava capaz de te oscular ferverosamente os beiços depois deste post!!!!!

shark disse...

Confesso que depois desta tua introdução mal consigo esperar pela resposta...
:)

Mente Quase Perigosa disse...

Ora atão vamos lá...

Tu sabes que eu sou miúda e não percebo muito desta coisa do sexo. Mas também sabes que sou opiniosa e que leio muitos livros e vejo muitos filmes, portanto, cá vai...

Tu já respondeste à pergunta. Tens consciência disso, não tens? Já disseste que não há parâmetros nem ciências exactas. Até porque aquilo que eu acho uma boa cama pode não o ser para outra. E um homem pode ser uma coisa com uma mulher e outra, completamente diferente, com outra mulher. Precisamente porque são precisos 2 para dançar o tango.

Agora se a questão é o que nos agrada na cama, aquilo que nos faz render, a resposta aí difere. Porque todos temos preferências distintas e se algumas são efectivamente fãs de contorcionismos, outras nem por isso.

Com base naquilo que eu vi nos filmes (cof... cof... cof...) posso-te dizer que, pela parte que me toca, não é preciso um homem ser versado nas 10.000 artes do Kama Sutra. Basta um homem que não hesite. Um homem que não tenha receio de explorar, de descobrir, que toque sem medo, que saiba deslizar os dedos pelo corpo de uma mulher mas que também saiba quando o agarrar. Um homem que olhe nos olhos, que saiba rir (porque na cama, como na vida, é preciso saber rir), que fale. Um homem para quem o acto em si não seja o foco da acção mas antes que esse foco esteja nas pessoas que o praticam.

(Era isto que se pretendia no enunciado?)

Mente Quase Perigosa disse...

(e podemos falar à vontade que, pelos vistos, só cá estamos mesmo nós...)

:p

tereza disse...

Estou confusa - boa cama ou bom amante? Parece-me que é um pouco diferente...

tereza disse...

(acho que os miúdos já foram à vida deles, pode começar a conversa séria...)

Mente Quase Perigosa disse...

(Coitados dos putos que até foram corridos e tudo e depois chega a hora da verdade e há uma súbita debandada...)

tereza disse...

Eu não debandei. Só tentei balizar a questão

shark disse...

Eu disse boa cama. Mas não vejo como um mau amante possa fazê-la...

shark disse...

Peixa, tu centraste a tua explicação (e ficámos todos a saber a que parte dos filmes prestas mais atenção) no seu fulcro.
Mas a (boa) cama também se faz de coisas simples como a que a Gaija enunciou no seu último post...
:)

Mente Quase Perigosa disse...

Sim... Pelo menos, foi isso que eu tentei dizer...

E agora fiquei mesmo sem perceber o que é que queres ver respondido...

(é a tal cena dos 'promenores'???)

(também posso falar de algumas acrobacias mas devo desde já avisar que essas cenas comigo acabam sempre à gargalhada... Lá está, sou uma mocinha 'bem-isposta'!)

shark disse...

Quanto às balizas, Chefa, digamos que o golo para mim é uma cama boa desde o antes ao depois.
É uma cama onde mesmo num dia sem enorme apetência para o sexo (há-de chegar esse dia, presumo) me apeteça deitar.
Mas é sem dúvida uma cama onde eu me sinta igual a mim próprio na hora da verdade e me consigam estimular para o exibir.
Ou seja, uma boa cama para mim (é justo que deixe a minha opinião expressa) é quem me consegue realizar nos vários prazeres como um homem é capaz de os sentir.
E para eu me acreditar uma boa cama exijo-me provocar precisamente o mesmo efeito.

shark disse...

Peixa, espero que o coment anterior baste para te esclarecer. Senão, pergunta. Ou então vamos lá abrir a caixinha de pandora das nossas mais ousadas piruetas...
:)

Mente Quase Perigosa disse...

(apre que ele hoje está retorcido... ou eu estou burra... o que também não é fora do normal...)

Mente Quase Perigosa disse...

(Bruce, talvez seja melhor explicares-me como se eu fosse uma loira piolhenta...)

Mente Quase Perigosa disse...

(No dia que eu te contar a maior acrobacia, vais estar horas a rir e imprestável para qualquer coisa séria. Eu estou aqui perdida de riso e conheço a história há anos...)

shark disse...

Ok, Peixa.
Imaginemos que eu sou um gaijo sensacional à mesa de um restaurante ou de outro lado qualquer. Um gaijo interessante e capaz de deixar alguém cheia de vontade de dar uma queca comigo.
E até a damos e eu provo-me sensacional (continuamos no domínio da ficção, faz de conta).
Mas no final transformo-me num labrego sem jeito nenhum, digo e faço as coisas erradas e faço a pessoa sentir-se uma merda de gente.
Sou uma boa cama?

shark disse...

Ou outro cenário. Eu sou sensacional a atear o fogo e fazer o rescaldo, mas nos entretantos só alimento uma fogueirinha...

shark disse...

O que faz uma boa cama, Peixa? Aquela cama que sempre que podemos não abdicamos?
É só o que tu disseste? E uma boa cama define-se, por exemplo, numa one night stand onde até pode correr tudo muito bem por via das circunstâncias?
A coisa é ampla...

Mente Quase Perigosa disse...

Oh Shark, esses cenários têm uma resposta óbvia. Quer-se dizer, toda a gente vai defender que a queca óptima é aquela onde um homem é envolvente antes, seguro durante e atencioso depois.

Ok... Digo-te isso também. Mas até eu, que não percebo nada da lavoura, sei que há tantas outras variáveis a ter em conta.

Mente Quase Perigosa disse...

De one night stands não percebo grande coisa, confesso. Sou esquisita, confesso (tenrinha como diz a Chefa).

Mas podes ter uma boa cama que não passa disso: de cama. E pode ser fantástico.

Mas não é óptimo.

Mas em certas fases da nossa vida pode ser o melhor que nos pode acontecer.

AnaT disse...

Bem... eu concordo com a Peixa no comentário que começa no "Ora atão vamos lá..."
E tanta coisa se podia dizer sobre uma boa cama... onde as pessoas se dão sem pudores, onde não há limites... pq entre 4 paredes (ou onde quer que seja) quem impõe limites são os "jogadores" e pq até aqui há que haver respeito de parte a parte! Mas e se o céu for o limite?

Mas resumindo, uma boa cama é aquela que nos satisfaz e nos deixa com vontade de lá voltar...

gaija do norte disse...

tubarãozinho, um gaijo não consegue ser sensacional ao jantar e um horror na cama... não me perguntes como, mas eu sei!

agora sobre uma boa cama: nem as piruetas nem o tamanho da papelada constituem o cerne da questão (a peixa já viu, sem dúvida, muitos filmes...). é a segurança com que nos agarram, os caminhos que as mãos sabem percorrer, a envolvência que conseguem criar, os beijos que a boca sabe dar (um beijo mau é um horror!!!).
fico-me por aqui porque além de ser um assunto puxa muito aos pormenores nem sei do que se está a falar...

Mente Quase Perigosa disse...

(Vi?)

(Eh pá, essa cena do beijo também li num livro que é fundamental. Um beijo mau é logo a morte do artista. Dizem...)

gaija do norte disse...

(pode até nem ser a morte matada, mas é um desconsolo...)

Mente Quase Perigosa disse...

Pois, foi o que eu li...

(É uma tristeza só...)

AnaT disse...

A Gaija tem razão, e pra quem nem sabe do que fala até acertou direitinho!

(beijo que é beijo tem que ser bom!)

gaija do norte disse...

(e até vos digo mais, pior do que beijo mal dado é o sacana do hálito! o que eu mandei embora (noutra encarnação, claro!) por causa de um hálito a cebola...)

shark disse...

Não te pergunto como sabes, mas saliento que esse pressuposto que levantas implica que todos os gajos bons na cama são sensacionais no resto, Gaija.
É assim ou é possível serem horríveis ao jantar (ou outras ocasiões) e espectaculares na cama?

Mente Quase Perigosa disse...

Ora, aí está um factor fundamental. O cheiro das pessoas. Oh pá, não me venham com tretas que eu tenho cá a minha teoria (baseada no que leio, claro) de que somos mesmo, mesmo, mesmo animais. Os gaijso reconhecessem-se e escolhem-se pelo cheiro e nós também.

E acho que todos nós recordamos o cheiro de algumas pessoas... (para o bem e para o mal)

gaija do norte disse...

andei ali a fazer uma pesquisa e conclui que existem boas camas que não têm mesmo mais utilidade nenhuma. o que eu disse, peixão, foi que se sabe quando um gaijo é uma boa cama.

gaija do norte disse...

os cheiros podem afastar, peixa maria, mas não me parece que seja por aí... é a voz, a postura, o toque (cala-te gaija do norte, cala-te!)...

Mente Quase Perigosa disse...

Não é tudo. Mas olha que por mim vai mesmo muito por aí.

Mas eu nunca neguei que era esquisita.

E no fim a combinação...

(A voz...)

Ahhhhhh... E nãopode roer as unhas!!!! Essa é mesmo a morte do artista à nascença...

Não dá hipótese... Não pode ser... No way...

gaija do norte disse...

ahahahah

eu também sou esquisita, mas felizmente as minhas esquisitices são diferentes das tuas!!!

Mente Quase Perigosa disse...

(Dasse, eu depois leio o que escrevo e só posso concluir que sou mesmo um bicho estranho)

gaija do norte disse...

(e não somos todos?)
:)

Mente Quase Perigosa disse...

Mas tenho uma tara por canhotos, tás a ver? Acho que são mais sexys do que os outros (é favor começar a limpar a baba).

(tarada... eu só posso ser tarada...)

Mente Quase Perigosa disse...

Mas com unhas roídas, lá está, nem que escrevesse os Lusíadas à minha frente com a manita esquerda...

shark disse...

Peixa, vá lá...
:)

shark disse...

Gaija, ainda bem que conto contigo para me googlares estas coisas.
:)

shark disse...

E já fiquei a saber aqui a importância do beijo para as moçoilas, algo que sei não constituir aspecto relevante para a rapaziada (generalizando, claro)...

Mente Quase Perigosa disse...

(Vá lá? Vou adonde agora?)

Mente Quase Perigosa disse...

(Os homens não valorizam o beijo? A sério? Não estou a brincar. É que não sei mesmo. As coisas que eu aprendo aqui...)

Mente Quase Perigosa disse...

(E nem numa sessão de amassos daqueles valentes em que não se pode passar à next base?)

Mente Quase Perigosa disse...

(Não que eu saiba o que isso é, obviamente. Mas vi o American Pie...)

shark disse...

Não valorizam no sentido que vocês lhe atribuem. Se o beijo não for bom, paciência.
We will always have mamas...

shark disse...

(Perdoa-me se fui muito cru, peixinha...)

Mente Quase Perigosa disse...

(Não te apoquentes que eu gosto de sushi!)

AnaT disse...

Ai os homens... beijo é tipo rebuçado, tipo bombom, tipo aperitivo...

(e dp como li algures, há algum tempo, é a única demonstração sexual que mais é feita em público... algo assim parecido)

Tu tira notas Mente, aprende...

tereza disse...

Eu não percebo nada disto, não percebo mesmo. Passei a tarde a ler umas coisas, a fazer pesquisa e meti uns telefonemas pelo meio. Deram-me quinhentas respostas diferentes mas eu continuo baralhada.
É que, para mim, a avaliação "boa cama" implica sexo tout cour e sem paninhos quentes. O resto não é boa cama, é bom tudo.
Afinal, e isso era o que queria saber, estamos a falar de dar uma queca (não era bem isto que queria escrever mas não sei se os miudos são mesmo obedientes)ou de fazer amor? Há sexo nos dois mas as medidas com que se avalia são de ordem diferente.
(já agora, é difícil avaliar como "boa cama" a pessoa que amo. Baralham-se-me as ideias porque se amo é óbvio que prefiro aquela cama a qualquer outra. Mas, e é essa a questão, isso implica que tenha de sentir que é a melhor queca da minha vida? Nem pensar!...)

Mente Quase Perigosa disse...

(P'ra mim também é sem paninhos quentes que está calor que baste.)

:p

sem-se-ver disse...

ja venho tarde mas eis a minha modesta contribuiçao:

uma boa cama tem de ter paixao, desejo aos montes e ternura em barda.

uma boa cama avalia-se pela intensidade do beijo - o que não quer dizer que seja violento (esta é private joke pra ti, peixa) - que é, efectivamente como li algures, um abraço dado pelas bocas. um beijo intenso que por si tudo diga e tudo provoque. e que nao queira findar nunca e por isso mesmo se retoma a espaços, a meio e no final. uma boa cama é um beijo bom.

uma boa cama é a afinidade. no que se gosta, nas fantasias comuns, nos ritmos a par. sempre a par.

uma boa cama é a que se desperta no meio do sono, e a vontade volta, imparável. uma boa cama é a que nunca (se) esgota no desejo consumado. uma boa cama é a que nos faz vir vezes sem conta mesmo quando o corpo já pede descanso, mas o desejo nunca.

uma boa cama é o olhar liquefeito de meiguice.

uma boa cama é o abraço antes, durante e depois.

uma boa cama, enfim, para ser mesmo boa, é o amor. as outras sao boas quecas, nao sao boas camas. podem ser úteis, mas não são nunca suficientes.

e é só para amar e ser amados que cá andamos.

há quem lhe chame felicidade.

tal como eu.

shark disse...

SSV, nem mais.

shark disse...

Chefa: não percebes mesmo nada disto.
Mesmo nada.

tereza disse...

Eu avisei.
Mas continuo a dizer que ando a investigar.
(e acho que a pergunta parece as do Alfredo. A malta percebe o que se quer mas não é isso que lá está. Boa cama é sexo, sem mais. O resto são outras histórias, melhores, muito melhores, mas onde o romance já é chamado)

shark disse...

Olha lá, mudando de assunto: já espreitaste a nova cabra no Berço?

tereza disse...

E não avisas??? Vou já a correr (coxear, digo)

calamity jane disse...

Li algures - que eu também não percebo nada do assunto, quanto mais não seja porque estamos a falar de factos ocorridos na encarnação anterior - que, pior ainda que beijar mal é não beijar! E - ainda segundo li, claro - eles existem. Os gaijos que não beijam.

De resto gostei da definição da SSV. Do que ainda me lembro, era mesmo assim :-)

shark disse...

A SSV percebe da poda.

(E gaijos que não beijam são cadáveres adiados)

gaija do norte disse...

(e lá voltamos nós à questão do cheiro!)

shark disse...

(É incontornável. O que é que tu estás a fazer aqui, Gaija Maria?)

gaija do norte disse...

(o mesmo que tu, paixão manuel!)

shark disse...

(paixão manuel é bonito, convenhamos.)
:)

gaija do norte disse...

poizé, eu sei!

:)