Apetites.

Estou sentada num dos topos da mesa da sala. Exactamente na minha frente tenho uma das portas para o jardim. Ainda há muita luz lá fora e vejo do outro lado dos vidros a rede a baloiçar sem ninguém, o hibisco das flores côr de rosa e parte de uma palmeira com os cactos à volta do tronco.

As crianças estão no quarto e o arroz branco está a acabar de fazer, na cozinha atrás de mim. A carne estufada com courgettes e cenoura está mais que pronta. Falta pôr a mesa e podemos jantar. Mais uns minutos e começam as ordens e as contra ordens, quebrando-se a calma que agora tenho à volta.
Acabou a música e não me quero levantar e ir mudar o cd, na aparelhagem mesmo aqui ao lado. Se o fizesse era para ouvir o Marinheiro Português, da Betânia.

Olhei para o ecrãn do computador e vi a imensa passagem que ele é - vou ao mundo e trago o mundo até mim.
Assim, apeteceu-me pintar nele o mundo que tenho aqui.

4 comentários:

Anônimo disse...

E o Sul encontrado ? Onde estava nessa altura ? LOL

teresa disse...

Teste americano:

1. A indicar o caminho marítimo para a Índia.
2. Com a vizinha do lado.
3. A Sul, como sempre.

Ângela disse...

Estou a ver que o Sul está encontrado.
Estava mesmo aí à frente, não é?
Bjs

teresa disse...

Por acaso estava mesmo à frente, que eu estava virada a Sul.

Sabes,tenho achado alguma piada a esta inquietação que o meu post do Sul gerou e, não sendo para ti a resposta, vou aproveitar o comentário para a dar.

Um dos meus autores preferidos era catalão e chama-se Manuel Vasquez de Montalban. Entre as muitas razões para gostar dele há três que, não tendo directamente a ver com literatura, me conquistaram. Viveu em Barcelona e a cidade está presente em muitos dos seus livros, era um gastrónomo, publicou um livro de receitas e em quase todas as suas obras fala de comidas e dá as receitas sempre que confecciona uma refeição e, por fim, foi minha companhia de praia durante muito tempo porque escreveu policiais fantásticos.
O Montalbam tem um livro chamado "Mares do Sul" onde diz que "A Sul está a felicidade". Há muitos anos que tomei para mim esse caminho e tudo o que ele implica. A minha redescoberta do Sul passou pois pela minha redescoberta de que preciso de estar feliz para viver, para não me limitar a arrastar-me por aqui. O meu Sul é só esse.
Coisa diferente é o que me alimenta este estado de alma que me faz estar feliz. Mas isso são as minhas paixões e são só minhas. Deixo-as transparecer por aqui, mas não as divido. Podem é ser coisas tão simples como a que acabei de fazer - ir lá fora e passear descalça na relva.