Quer emagrecer? Pergunte-me como.

Não me perguntem é como se engorda, que essa é a pergunta a que não sei responder e que fiz muitas vezes em tudo o que era sítio. Mas agora sinto-me finalmente vingada, depois de andar anos e anos seguidos a ver publicidades para as gordas, sem nunca se lembrarem que no peito das magras/ no fundo do peito bate calado/ no peito das magras/ também bate um coração...

Ai não se lembraram de nós? Então desafinem lá de vez com isto:

O ministro da Agricultura, Jaime Silva, desaconselhou o consumo sem controlo médico de produtos dietéticos, como a Herbalife. Esta é uma aproximação à posição das autoridades espanholas, que ontem fizeram a mesma recomendação.
Em Portugal, no entanto, não há conhecimento de problemas com produtos da Herbalife que levem à suspensão da venda, como aconteceu com a Depuralina. Ainda assim, o ministro apelou à "prudência" dos portugueses em relação ao consumo sem controlo destas substâncias. O governo chama a atenção dos portugueses para a necessidade de terem muito cuidado quando consomem produtos naturais sobre a forma de concentrados, recorrendo sempre ao conselho de um médico ou nutricionista", disse hoje Jaime Silva. "Temos de olhar para estes suplementos alimentares não por aquilo que a publicidade diz, mas pelo que está escrito no rótulo", disse.
Jaime Silva considerou que "os consumidores devem usar da mesma precaução que os espanhóis", alertando para "as grande campanhas publicitárias que garantem milagres à custa de uns pozinhos". O Ministério da Saúde espanhol desaconselhou segunda-feira o consumo de produtos da marca Herbalife, depois de ter tido conhecimento de casos de toxicidade hepática presumivelmente associados ao consumo destes produtos.


2 comentários:

Emiele disse...

É uma certa confusão.
Por um lado parece que a tal obesidade já é motivo de preocupação (apesar de a anorexia também!)
Por outro, a alimentação que não engorda (legumes, frutas, peixe, etc...) é hoje em dia a mais cara. A fast-food é claramente mais barata e imagino que esse seja um dos segredos de tanta gente mais gorda, hoje em dia.
Finalmente, não acho nada mal que se moralize um tanto essa conversa dos produtos para emagrecer que começam logo por engordar as contas bancárias de quem os vende. Afinal, é bem fácil não engordar: basta não comer...

teresa disse...

É isso mesmo, Emiele. Mas sabes, irrita-me um pouco esta cultura do corpo e a busca de uma suposta perfeição que não se encontra em lado algum. Sou magra, sempre fui magra,e a maior parte do tempo não me incomodo com isso, que também estou longe de ter os ossos à vista. Mas fico furiosa se chegam ao pé de mim e me dizem estás tão magra... não por me incomodar, mas por perceber que há valores completamente alterados - se estivesse mais gorda havia um pudor que inibia o comentário, parece que é ofensivo dizer-se estás gorda e elogioso dizer-se estás magra. Para mim, magra ou gorda é uma questão de equilibrio - se me sento bem é porque estou bem, se me sinto fisícamente debilitada estou magra, mesmo que até esteja mais gorda. É por isso que tenho uma balança que não uso - o meu peso certo não são os Herbalifes que o decidem, mas sou eu. Tudo o resto são modas e paranóias.