Desolé, minhas senhoras, desolé...

Não pensem que me esqueci de comunicar os resultados do famoso concurso "Adivinhe de que falam os homens quando se encontram". Aliás, creio que sou eu a única pessoa que ainda se lembra desse concurso, mas, promessas são promessas e não podemos perder de vista que está em jogo o fantástico troféu "Eu fui a pessoa que ganhou o concurso "Adivinhe de que falam os homens quando se encontram"".

As concorrentes foram aos milhares e organizaram-se, nomeando representantes que, essas sim comentaram. Falharam todas redondamente.

Até se me torce o miocárdio só de pensar que houve quem se lembrasse de sugerir que os homens falam de Mulheres quando estão juntos. São coisas destas que me fazem descrer na raça humana. Mulheres? Reparem, imaginem um cenário em que vários homens se juntam à volta de uma mesa, o tempo é precioso, e alguém imagina que podem ocupar essa janela temporal, esse melhor tempo das suas vidas a falar de Mulheres? Faz tanto sentido como comer sardinahs assadas com molho de caramelo.

Depois, houve a sugestão do Desporto e, mais concretamente, de futebol. Completamente ao lado. Reparem, peço que fechem os olhos e voltem a imaginar uma tertúlia masculina, há alegria no ar, sente-se o pulsar das emoções. Agora imaginem que alguém diz, por redução ao absurdo, "Então o Lucílio lá nos roubou outra vez no sábado...". Imaginem o silêncio sepulcral, os rostos a virar-se para o emissor desta afronta, o ar pesado, o gelo que não se quebra, o isolamento do infeliz. Desporto? Futebol? Nunca.

Foi ainda sugerida a possibilidade de os homens falarem de automóveis, telemóveis ou televisores. Gadgets, vá. Bens materiais, supérfulos, objectos de ostentação. Não, até se me estão a dar os nervos só de pensar que algum homem poderia falar de televisores quando se encontra com os seus iguais.

Finalmente, trabalho. Trabalho? TRABALHO? Nós não trabalhamos, minhas Senhoras. Passamos algum tempo num sítio vagamente parecido com um local de trabalho, mas flutuamos apenas. Aparecemos, damos algumas orientações estratégicas, pedimos um café, damos uma ou outra ordem urgente, assinamos umas coisas e seguimos para o que realmente acrescenta valor ao mundo.

Maneiras que não é de todo possível atribuir o prémio. Era um prémio bonito, até estava a pensar entregar pessoalmente o prémio à vencedora, estas coisas caem sempre bem, seria uma bonita forma de valorizar o prémio, mas não, é completamente impossível, teremos que pensar num novo concurso, alguma coisa mais fácil, que não tenha tanta elaboração estética e assim.

30 comentários:

gaija do norte disse...

visconde, ainda que mal lhe pergunte, o que são sardinahs???
alguma iguaria da nouvelle cuisine?

Mente Quase Perigosa disse...

(também desconheço o que seja, Gaija, mas vai mal com molho de caramelo!)

jardinsdeLaura disse...

Que pena... e eu que me preparava já para assistir à cerimónia de entrega do prémio no meu bestido de "lantejoulas" berde alface! Sim porque entrega de prémio sem cerimónia num tinha piada nenhuma!
Muito me desiludiu ó Visconde!!

tereza disse...

Meninas, antes de passar aos detalhes eu gostava de ver esclarecido o essencial - o que são homens?

Mente Quase Perigosa disse...

Eu não disse que este concurso só iria servir para arruinar o nosso ego?...

Gostava eu de saber os números do euromilhões com tanta certeza...

Mente Quase Perigosa disse...

Tereza, apenas o Visconde te poderá elucidar...

Eu acho que os homens são como os pilhões: já ouvi falar, mas ver assim ao vivo à minha frente foi rara a vez.

gaija do norte disse...

jardinsdeLaura, perdoe-me o desconhecimento, mas onde reside não fornecem teclados completos?

gaija do norte disse...

eu já vi, mente! são pequeninos, vermelhos e estão sempre pendurados noutro ecoponto qualquer...
ora estavamos a falar de quê???

Mente Quase Perigosa disse...

Pilhões, Gaija. Aquele sitio onde se depositam as pilhas gastas...

(dizer isto neste blog é, no minimo, considerado provocação, não?)

tereza disse...

Era disso gaija.
Mas já agora dava-me jeito um desses pilhões que anda por aqui muita bateria gasta

gaija do norte disse...

andam pelo país todo, chefa, também me queixo do mesmo mas os pilhões não abundam...

Visconde de Vila do Conde disse...

Eu escrevo tudo de seguida e sem reler. Às vezes há um colega de blog que me corrige. Outras, não...

(agora não corrijo, senão o comento da Jovem Senhora do Norte deixa de fazer sentido. e o que diz uma mulher faz sempre sentido...)

Gabs disse...

Fica então no segredo, de que falam os Homens? Se eu me disfarçar e me introduzir no vosso meio, venho a descobrir que não falam de nada...

Visconde de Vila do Conde disse...

Gabs, se me pedir com carinho, eu desvendo.

(e assim não precisa de se introduzir, o que, parecendo que não, é vantajoso...)

sem-se-ver disse...

sardinhas assadas com molho de caramelo é muito bom.

Gabs disse...

Oh, eu até cortei o cabelo e tudo! A última vez que o tive assim perguntaram à minha mãe se eu era o neto dela.

Eu queria era ser mosca...

gaija do norte disse...

ssv, isso só pode ser um ca noijo sem igual!

AnaT disse...

Os homens não falam porque... vejam a resposta aqui:

http://desabafoslevadospelovento.blogspot.com/2009/03/diferencas-de-sexos.html

;o)

shark disse...

(Visconde, eu sei que estava desatento. Mas nenhuma das gaijas do Cabra é apenas "uma mulher". Cada uma delas é uma senhora, pelo que a lógica do fazer sentido é relativa...)
:)

tereza disse...

Chuac bem no meio dos olhos, Tubarão!

tereza disse...

Gabs, explica-me lá devagarinho para ver se eu percebo - tu prontificavas-te a ser mosca e tudo só para poderes ouvir conversas de deitar fora dos gajos?
Credo!...

AnaT disse...

Ainda bem que os cavalheiros não se extinguiram!

gaija do norte disse...

é de encher de beijos, o nosso tubarão!

(não nos vais pedir nada, pois não?)

Visconde de Vila do Conde disse...

Shark, estou envergonhado. Um homem está aqui com um olho no "Cabra" e outro na dar atenção ao Bloomberg e depois dá nisto, sai uma coisa atabalhoada e, pior, escrevem-se coisas absolutamente sem sentido.

Minhas Senhoras, devo um sentido pedido de desculpas, normalmente sou um imbecil mas desta vez excedi-me. Lamento profundamente, Minhas Senhoras.

Desde já fica aqui apalavrado um post de retra(c)tamento.

Shark, meu caro, devo-lhe um agradecimento por me mostrar a luz e me colocar de novo no caminho certo, na estrada da virtude. Um grande bem-haja para si e para todos os seus, até à quinta geração, seja de ascendentes ou de descendntes.

(dasse, o que um homem tem que fazer para acalmar estas gajas, #4%E?+o...)

tereza disse...

Ai pois nanas... logo vi que tanto mimo trazia água no bico!
Deu uma especial à CJ... e diz que talvez vá à terceira...

tereza disse...

Visconde, há-de cá vir, háde háde...
(que eu volto a pedir ao Lucílio para vir também...)

gaija do norte disse...

dobre a lingua, visconde! gaijas, se faz favor!

sem-se-ver disse...

o que era muito bom era a ideia, bem esgalhada, de sardinhas assadas com molho de caramelo como suprasumo da falta de sentido...

gaija do norte disse...

pois, ssv, mas eu não sei do que este visconde é capaz...

Gabs disse...

Se eu fosse mosca pousava na careca de um doutor (visconde)...