Cozinheiro acusado de roubar obra de Picasso

Uma delícia. Não sei se uma delicia azul se uma delícia cubista, mas uma história em que a personagem principal é um cozinheiro que abifou um Picasso, só pode ser uma delícia. E esta, para além deste, tem muitos outros ingredientes suculentos. O cozinheiro era novo, rico, culto, inteligente e só podia ser bonito. As obras roubadas, que foram duas, um Picasso e um Portinari, eram o retrato de Suzzane e o Lavrador de Café, que se mete bom jantar com uma senhora, o cafezinho não pode faltar. Os quadros estavam no MASP, que até é o Museu de Arte de São Paulo, mas que podia passar pelo Mercado Abastecedor sem mudar uma letrinha. O cozinheiro, que era um artista, recusou-se a meter as mãos na massa e mandou dois ajudantes fazer o trabalho sujo. Usaram um monta-cargas, pois claro, que cozinha de premié não dispensa um e a experiência é sempre útil para não deixar esturrar o refogado.
O prato já está bem composto, mas falta ainda a cereja no topo. O nosso Arséne Lupin tinha um programa de televisão que foi gravado, por uns tempos, na fazenda dos pais da comissária do museu. Era um passe-me aí as plantas aromáticas e as dos corredores lá do outro sítio, que quem cria um estufado também aprecia arte e sou mestre de muitos ofícios.
Não sei qual será o nome desta delícia gastronómica já que o cozinheiro anda fugido e os ajudantes, que foram apanhados, não têm sabedoria para tanto criar.
Os quadros, esses, regressaram ao museu de onde não deveriam nunca ter saído. A comissária suspira pelos corredores. Não se sabe se de alívio pelo regresso dos filhos pródigos, se de satisfação por todo o povo querer ver as razões da gula do cozinheiro e o museu ter enchentes, se de saudades do artista dos tachos que lhe ia esvaziando a despensa.
História deliciosa e que nem deixa travos na boca. Pode-se acompanhar com umas caipirinhas que vão muito bem com estes sabores, que estória assim tinha de ser mesmo no Brasil...

6 comentários:

mifá disse...

Ernesta,
disse-lhe, algures atrás, que me afasto deliberadamente dos blogs pois no que concerne a leituras, pelo menos, sou facilmente viciável.
Acabei, porém, de percorrer o seu e do que vi gostei imenso.
Muito honestamente, acho uma injustiça e um desperdício ter tão poucas visitas( pelo menos, comentários ).Se calhar, o bom -gosto ainda escasseia mais do que se pensa.
Tem feito um excelente trabalho, sob vários prismas: literário, lúdico, intervenção social...

ernesta disse...

mifá,

essa dos comentários, poucos, também me deixa desvairada, que gosto é de faca na liga, mas depois chega um destes e fico em paz. Se não com o mundo, pelo menos com as ilhas... Vicie-se, Mifá, vicie-se, que o Eça já não precisa de mais palmas e eu ainda estou fishing for cumpliments...
Obrigada.

samuel disse...

Isto não chega a ser bem um comentário, mas estou convencido que nos seus primeiros tempos de Montmartre, o Picasso deve também ter surripiado comida a alguns cozinheiros... mas com menos aparato.

Vou continuar a aparecer por aqui. Gosto deste blog!

rvn disse...

sam,
fica o aviso: isto é casa mal frequentada, um cabril, se é que me faço entender...

ernesta disse...

...mas muito mais artistice, estou certa!
Volte sempre, que cantigueiros nunca são demais.

ernesta disse...

Samuel,
ouça o que o gato diz... isto aqui é casa mal frequentada, daquelas onde só se ganha e nunca se perde.

gato,
recolha lá as garras que toda a gente sabe que gato escaldado de água fria tem medo....