Gaijos, chegai-vos aqui e listen very carefully, I shall say this only once.

Gaijos, estão perdoados! Eu, agora, percebo-vos...

As gajas são absolutamente desesperantes. Eu não acreditava em vocês mas também têm de perceber que não me dou muito com gajas. Se a gaja sabe dizer umas coisas eu ainda a aturo, se for burra que nem uma porta mas tiver um belíssimo par de mamas mesmo assim descarto-a rapidamente que o olho não me foge para essas coisas e a burrice cansa-me.

A Maluca, a nossa Maluca, é provavelmente a gaja mais gaja que algum dia usou um par de collants. Aquelas coisas que vocês dizem das mulheres e que nos deixam a nós, gaijas, desvairadas, são todas, todinhas, verdades absolutas. Eu e a Peixa temos cumprido bem a nossa penitência e a descida aos Infernos masculinos fez-nos passar a respeitar gerações e gerações de homens. É que basta encontrar uma destas, uma vez na vida, para nos marcar profundamente a ferro e fogo.

A história da Maluca é a normal. Fugiu-lhe o olho para um gajo, por acaso muito gaijo, encantou-se com ele, deu-lhe conversa, ele respondeu-lhe, que a gaja tem um vale no decote que parece o Grand Canyon, e a Maluca apaixonou-se. O tipo, que tinha ar de já ter encontrado outras malucas na vida, correu com ela rapidamente e a Maluca passou-se. Quando a encontrámos andava a chorar, tanto... tanto...., por tudo o que era sítio, pedia-lhe para voltar, soluçava muito e entremeava isto tudo com os epítetos que qualquer gaja ressabiada usa nestas alturas, sendo que mentiroso e tarado sexual eram os mais simpáticos.

Percebem, é fácil de perceber, que eu e a Peixa, almas caridosas, prontificámos-nos de imediato para ajudar a alma desconsolada, e de caminho saber a história toda que aquela coisa do tarado interessava-nos..., mas o pior é que a gaja era alérgica à aproximação de outras gajas, morria de medo que fossemos mais viúvas desconsoladas à procura do gajo desaparecido, e pouca conversa nos dava. Solução? O gaijo, o próprio.

E uma noite, já lá vão muitos dias e muitas noites, o gaijo falou com a gaja. A aposta da Peixinha era que a Maluca me topava ao segundo email mas nessa noite, cento e tal emails depois e muitas horas de conversa, tinha a Maluca na mão. Desde aí sou o gaijo (também sou mais umas coisas, incluindo a irmã do gaijo, que se lhe quis ouvir a voz tive de tirar as calças e vestir as saias...) e estou doida com ela.

A história dessa noite ainda vai ser pormenorizadamente contada porque foi nessa noite que a gaja nos comeu, que eu assassinei um coelhinho e que jogámos tudo no preto, saiu vermelho, e mesmo assim ganhámos. Mas hoje o que me está a desesperar é a incapacidade de conseguir falar gajês. Ela não entende uma porra (estou a ser macho, percebem?). A gaja tem uma ideia fixa na cabeça, quer saber porque raio o outro, que agora sou eu, correu com ela e não me larga a braguilha. E eu sei, de certezinha, porque foi corrida. Sei e já lhe expliquei, a gaja é insuportável, mas ela não se conforma, ela quer ouvir-me dizer o que ela meteu na cabeça que era verdade - eu desapareci porque me estava a apaixonar e não me quero apaixonar.

(Pequeno aparte, toda esta situação tem despertado em mim e na Peixa uma tendência carroceira, nunca na minha vida tinha dito tantas asneiras, e agora, estivesse eu com a Peixa, e diria, Foda-se, a puta da gaja não vê um caralho à frente dos olhos, mas como estou aqui, em público, vou continuar como de costume)


A gaja é burra, muito burra, a gaja não percebe o que se lhe diz, a gaja é corrida e volta para oferecer miminhos, e carinhos, e beijinhos fofinhos (nestas alturas eu e a Peixa fazemos uma pausa para o vómito) e quanto pior a tratamos mais ela nos chama pequenito e nos diz que nos adora. A gaja quer falar com a família toda - falou com a "mana" e foi com sorte... - a gaja manda emails a todos os nossos supostos amigos, a gaja controlava tudo o que o gaijo (o outro) fazia, a gaja telefonou para o sítio onde pensava que eu (ele...) trabalhava à procura dele, a gaja é maltratada por mim forte e feio e volta sempre.....

Gaijos, estou solidária com vocês. Juro, agora percebo-vos. As gajas são insuportáveis!! Acreditam que houve alturas em que eu, e a Peixa, achámos que duas lapádas nas ventas seriam o mais indicado? Acreditam que começámos a olhar com outros olhos a violência doméstica? Acreditam que temos vergonha de nos sentirmos assim mas que é superior às nossas forças?

E agora, perguntam vocês, porque continuamos a aturar a Maluca?

Porque estamos a ficar gajos, só pode. Não, não é pelo par de mamas que a Maluca exibe nas fotos (mas explicou-me que foi sem querer porque ela vive na lei de Deus...) mas no fundo no fundo a razão é a mesma - a Maluca dá-nos gozo! Apesar de tudo, termos o privilégio de podermos assistir na primeiríssima fila ao espectáculo de uma gaja em  manobras de paixão e engate é algo que nos deslumbra!

8 comentários:

A Flor disse...

Ora se vive na lei de Deus está tudo explicado - tem que casar rápido antes que rebente alguma veia no cérebro...

Eu cá ainda acredito que nós não somos assim, vou-me enganando vá...

tereza disse...

Flor, acreditar que não somos assim é fácil o que eu não acreditava era que havia gajas assim...

Mente Quase Perigosa disse...

Eu até comentava mas estou podre de sono. É que tu é que gostas delas mas elas acordam-me é a mim às 6 e meia da manhã!!!!

Fusão do Atomo disse...

Andando eu a trabalhar muito e para o Papa, é lógico que não me posso alongar. Tereza, acredita que há muito mais gajas assim do que imaginas. Lembras-te do Chat, pois, era disso ás pazadas, ou ainda se possivel pior.
Beijos vou ali e já venho

Fusão do Atomo disse...

Andando eu a trabalhar muito e para o Papa, é lógico que não me posso alongar. Tereza, acredita que há muito mais gajas assim do que imaginas. Lembras-te do Chat, pois, era disso ás pazadas, ou ainda se possivel pior.
Beijos vou ali e já venho

Ze Maria disse...

Há algo dentro de todos nós e que não me apetece referir, que apenas nos ensina a procurar o Amor- Assim mesmo com maiúsculas. Mas não nos garante que o encontremos, isto é, aponta caminhos mas não nos indica O caminho. Para isso, bem, para isso, haveríamos de alongar a prosa. Também não me apetece. Tenham um bom fim de semana...

Xandra Frô disse...

Adorei adorei adorei!
Subscrevo!
o pior é que eu, gaja, estou rodeada desse tipo de gaijedo insopurtável...VIVAM OS GAJOS!!!!
So que se aproveitam do miolinho, tá? Porque ele também há com cada um k dá vontade de vomitar!!!!

Tuborg disse...

o problema é quando essas burras têm um grande parzorro e pernas grossas.. não há burrice que resista :) Nisso sou fraco.. fazê o que? :)